Sexo na menopausa: fim da menstruação não deve(ria) acabar com o prazer

Unsplash

Em geral, as mulheres param de menstruar por volta dos 50 anos. Por um lado, dá pra comemorar o fim da TPM, dos gastos com absorventes e remédios para cólica, da preocupação com uma gravidez indesejada (afinal, a menopausa encerra o período reprodutivo). Por outro, nem sempre é fácil se adaptar às mudanças provocadas por essa nova fase da vida – sexual também.

via GIPHY

À medida que os hormônios viram do avesso e o metabolismo feminino desacelera, os ciclos ficam cada vez mais irregulares e o sangue desce entre intervalos que duram meses. A menstruação não some de uma hora para outra. Nesse processo, chamado de climatério, a maioria das mulheres sente “ondas de calor” várias vezes por dia, suores noturnos, insônia, irritabilidade etc.

Como se esses sintomas não fossem suficientes pra minar o desejo sexual, outro efeito bastante comum da menopausa é a secura vaginal. O corpo enfrenta dificuldades pra produzir aquela lubrificação que torna a vagina mais elástica e reduz o atrito da penetração. O vaivém arde, machuca, dói, causa microfissuras que atraem bactérias oportunistas. Experimente descer um toboágua… seco (você vai implorar por uma pomada pra assaduras).

Em uma pesquisa feita na Grã-Bretanha, metade das mulheres disse que a menopausa prejudicou sua vida sexual. No Brasil, muitas não procuram ajuda médica por vergonha ou desconhecimento. Alguns ginecologistas indicam como tratamento a reposição hormonal por meio de pílula, gel ou adesivo de progesterona e estrogênio.

Por causa dos riscos e efeitos colaterais, outros profissionais preferem que a mulher mude hábitos alimentares e pratique atividades físicas. Pra ajudar nas questões sexuais, prescrevem lubrificantes à base de água, hidratantes vaginais e até fisioterapia pélvica (exercícios que aumentam a circulação sanguínea no canal vaginal e, com isso, a lubrificação).

Mas não dá pra botar TODA a culpa da baixa libido nos hormônios. Se a mulher não estiver lidando bem com o próprio corpo e com o envelhecimento, se não estiver feliz no relacionamento, se já não estava satisfeita com o parceiro sexualmente… Bom, apenas lubrificar a vagina não fará com que o tesão apareça!

É fundamental que o casal tenha intimidade pra se adaptar a essas mudanças juntos. E talvez seja o caso de buscar uma terapia individual. Segundo o IBGE, a expectativa de vida da mulher brasileira é de 79 anos. Quer dizer, em média, trinta anos convivendo com a menopausa. Tempo demais, né? Então vale lembrar que, ao contrário do sistema reprodutivo, o prazer sexual não tem “prazo de validade”.

*Nathalia Ziemkiewicz, autora desta coluna, é jornalista pós-graduada em educação sexual e idealizadora do blog Pimentaria