Sette Câmara reclama da omissão e da inércia do presidente do conselho do Atlético

Victor Martins
·4 minuto de leitura
Disputa política dentro do Atlético é dívida em dois grupos dentro do conselho deliberativo (Bruno Cantini/Atlético)
Disputa política dentro do Atlético é dívida em dois grupos dentro do conselho deliberativo (Bruno Cantini/Atlético)

Não é mais segredo para ninguém que existe uma divisão política dentro do Atlético-MG. De um lado o grupo de Sérgio Sette Câmara, atual presidente e que conta com o apoio de nomes de peso, como o de Rubens Menin, patrocinador e mecenas do clube. Do outro está Alexandre Kalil, atual prefeito de Belo Horizonte e mandatário alvinegro entre 2008 e 2014. O capítulo mais recente dessa disputa é a avaliação das contas do clube referentes à temporada passada.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Esportes no Google News

De acordo com a MP 931/202 o Galo tem até o fim deste mês para reunir o conselho deliberativo e então aprovar ou rejeitar o balanço financeiro apresentado pela diretoria executiva. Para não perder o prazo e correr o risco de ser excluído do Profut, os conselheiros atleticanos foram convocados para uma reunião em 31 de julho, data limite para a apreciação do documento.

Tudo quase normal não fosse um detalhe na carta de convocação enviada aos conselheiros, no fim da tarde dessa quinta-feira (16). Quem fez a chamada foi Rafael Menin, que é vice-presidente do conselho deliberativo atleticano. Geralmente, essa ação é de responsabilidade pelo presidente do órgão, portanto, seria de Castellar Guimarães Filho.

De acordo com o repórter Thiago Fernandes, do UOL Esporte, o dirigente pede uma análise do conselho fiscal sobre os números de 2019 e também o balanço analítico, que mostra exatamente como foi usado cada Real do Atlético, para então fazer a convocação. Vale lembrar que Guimarães Filho faz parte do grupo de Alexandre Kalil, tanto que teve o nome cogitado para ser concorrente de Sérgio Sette Câmara, à presidência do clube, em eleição prevista para dezembro deste ano, visando o triênio 2021/2023.

“É só a designação de uma data. Nós não podemos politizar aprovação de contas, coisas fundamentais para o clube. Cumprir prazos. Isso tem muita responsabilidade. Temos que agir com respeito às regras”, disse Lásaro Cândido da Cunha, vice-presidente do Atlético, em entrevista à Rádio Itatiaia.

Já no fim da manhã, em carta enviada aos conselheiros, o presidente Sérgio Sette Câmara reclamou da postura de Castellar Guimarães Filho, para explicar a convocação feita por Rafael Menin. O mandatário alvinegro alegou que teve omissão e inércia por parte do presidente do conselho, mesmo com todos esclarecimentos e avisos feitos pela diretoria executiva.

Veja abaixo, na íntegra, o texto enviado por Sette Câmara.

Belo Horizonte, MG, 17 de julho de 2020.

Conselheiros(as),

Tendo em vista a omissão do Presidente do Conselho Deliberativo em designar a Reunião Ordinária para a apreciação das Demonstrações Financeira de 2019 no prazo legal e estatutário, o Vice-Presidente do Conselho Deliberativo atuou de forma diligente para evitar prejuízos incalculáveis ao Atlético, fazendo a publicação do Edital de Convocação da Reunião para o dia 31.07.2020, cumprindo assim o prazo mínimo de 15 dias entre o ato convocatório e a Reunião propriamente dita.

É oportuno realçar que, em face da pandemia do COVID-19 e da decretação do estado de calamidade pela Presidência da República, a Diretoria Executiva não teve como concluir suas Demonstrações Financeiras até 30.04.2020, conforme já noticiado aos Conselheiros.

Com a edição da Medida Provisória n.º 931/2020, que estendeu tal prazo em benefício de todas as empresas para até 31.07.2020, tratou a Diretoria Executiva de acelerar a conclusão das Demonstrações Financeiras, as entregando ao Conselho Fiscal em 26.05.2020, e ao próprio Presidente do Conselho Deliberativo em 30.05.2020, provendo então a sua devida publicação no Jornal Estado de Minas em 30.06.2020.

Nesse período, a Diretoria Financeira prestou inúmeros esclarecimentos ao Conselho Fiscal, tendo então o seu Presidente dirigido ao Presidente do Conselho Deliberativo requisição de designação de Reunião, respeitando assim os prazos destacados.

Não obstante todas essas advertências, ainda assim, o Presidente do Conselho Deliberativo permaneceu inerte, o que conduziu o Vice-Presidente do Conselho Deliberativo Rafael Menin a agir com responsabilidade e a zelar pelos interesses do Clube, promovendo diretamente a publicação do ato convocatório.

Após a publicação do referido ato, perplexos, receberam Diretoria Executiva, Vice-Presidente do Conselho Deliberativo e Presidente do Conselho Fiscal as insinuações de quem não observou o seu dever estatutário, acompanhadas da tentativa de indevida interferência no trabalho do Conselho Fiscal, que é independente e autônomo por força de Lei (artigo 4.º, inciso III, da Lei do PROFUT, reproduzido no artigo 54 do Estatuto Social do Clube Atlético Mineiro).

Com efeito, esclarece a Diretoria Executiva que adotará todas as medidas legais e estatutárias para a defesa dos interesses do Clube, acaso o Presidente do Conselho cancele sem o devido fundamento a reunião designada para o dia 31.07.2020, expondo a integridade do Atlético ao risco de graves penalidades legais.

Atenciosamente,

Sérgio Sette Câmara

Presidente Executivo

Veja mais sobre futebol mineiro no Blog de Victor Martins

Siga o Yahoo Esportes no Instagram, Facebook e Twitter e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.