Série italiana que estreia esta sexta na Netflix é acusada de promover tráfico sexual

(Imagem: divulgação Netflix)

A primeira temporada de ‘Baby’, produção original italiana, chega hoje ao catálogo da Netflix cercada de polêmica. A série, que acompanha duas adolescentes que fogem de casa num bairro de elite de Roma e mergulham no submundo da cidade, está sendo acusada de promover o tráfico sexual e glamourizar o abuso.

A reclamação partiu do Centro Nacional de Exploração Sexual dos Estados Unidos e se refere a um dos episódios, no qual as protagonistas, menores de idade, entram para o ramo da prostituição.

“Apesar de estar no centro do início do movimento #MeToo, a Netflix parece ter perdido total contato com a realidade da exploração sexual”, declarou Dawn Hawkins, diretor executivo da organização, em declaração reproduzida pelo site Indiewire.

“Apesar dos protestos de sobreviventes de tráfico sexual, especialistas no assunto e prestadores de serviços sociais, a Netflix promove o tráfico sexual ao insistir em transmitir ‘Baby’. Claramente, a Netflix está priorizando os lucros sobre as vítimas de abuso”, completou.

A trama é inspirada em acontecimentos reais, revelados em 2014, quando duas adolescentes de 14 e 15 anos viraram notícia nacional na Itália ao serem flagradas trabalhando como garotas de programa para bancar seus gostos luxuosos, como roupas de grife, aparelhos eletrônicos e sustentar o vício em cocaína.

Em entrevista à Variety, o produtor Nicola De Angelis reconheceu que o timing da produção foi “o pior possível, quando qualquer coisa associada com abuso sexual é um problema”. Mas, segundo, ele, o projeto teve total apoio da Netflix. “Nos disseram para seguir em frente e que acreditam no produto. Acreditamos que esta geração precisa ser representada da forma mais natural e autêntica possível. Houve alguma controvérsia, mas superamos isso porque sempre tivemos o apoio da Netflix”.

Veja abaixo o trailer de ‘Baby’: