Será que os desafios de 30 dias são suficientes para criar hábitos saudáveis?

Especialistas avaliam o processo de formação de hábitos no início de um novo ano. (Foto: Getty Images)
Especialistas avaliam o processo de formação de hábitos no início de um novo ano. (Foto: Getty Images)

Aproveitando que as pessoas costumam definir objetivos no começo do ano, os programas de 30 dias que prometem ajudar a alcançá-los também fazem parte das campanhas de marketing nessa época.

Mas os especialistas advertem que, antes de embarcar em qualquer tipo de desafio, as pessoas deveriam pensar nas mudanças que gostariam de fazer e na melhor maneira de transformá-las em hábitos duradouros.

"A ideia é que os comportamentos se tornem automáticos e aconteçam sem esforço", diz a escritora Gretchen Rubin ao Yahoo Vida e Estilo, explicando a formação de hábitos. "Praticamente todo mundo tem alguma coisa que gostaria de mudar, então é uma tentação acreditar nessas promessas fáceis. Mas o engraçado é que, na verdade, não é tão difícil mudar um hábito se isso for feito do jeito certo".

Gretchen, autora dos livros The Happiness Project, Better Than Before e The Four Tendencies estuda e escreve sobre a natureza humana e as maneiras como ela afeta as tendências individuais. A principal conclusão do trabalho dela é que não existe uma abordagem "universal" para aderir a novos comportamentos nem para eliminar os antigos. Infelizmente, isso significa que esses programas de 30 dias que costumam começar no primeiro dia de janeiro nem sempre são tão eficazes como as pessoas gostariam.

"Todo mundo quer acreditar que existe um caminho certo, uma resposta mágica, que fazer alguma coisa durante 30 dias vai levar ao resultado desejado. Mas as coisas não funcionam assim. As pessoas são muito diferentes", comenta Gretchen sobre esses programas padronizados. "Queremos terceirizar os problemas, resolver tudo com dinheiro, contratar um mágico, mas, muitas vezes, esses programas não passam de marketing".

A opinião de Gretchen vale especificamente para os desafios de condicionamento físico de 30 dias ou as dietas da moda que são amplamente divulgadas como abordagens certas no ano novo. Cortland Dahl, diretor contemplativo da Healthy Minds Innovations e criadora do aplicativo Healthy Minds Program, explica ao Yahoo Vida e Estilo que a divulgação desses programas provavelmente é embasada na ciência do comportamento humano.

"A economia é baseada em fundamentos complexos da neurociência, e muitas pessoas inteligentes estão sempre tentando manipular nossa atenção e nossas emoções", diz ele.

Ainda assim, em vez de fornecer ferramentas reais, esses programas podem servir de inspiração para iniciar uma nova tarefa ou implementar mudanças de estilo de vida.

"Os novos hábitos começam com a inspiração. Você lê um artigo, conversa com um amigo, ouve alguma coisa no seu podcast preferido e pensa: "Ah, acho que vou fazer tal coisa". Então, você se empolga e fica achando que vai ser fácil", explica Cortland. "Acontece que a inspiração é frágil e desaparece rápido, e não sobra nada para apoiar essa decisão. É aí que as pessoas desistem do hábito".

Cortland explica que, para formar um hábito, basicamente é preciso repetir uma ação até que ela passe de um estado cerebral fugaz para uma característica cerebral duradoura. Além disso, Gretchen adverte que um programa de 30 dias pode até atrapalhar esse processo, simplesmente porque tem uma data de término.

"Um desafio de 30 dias é um jeito ótimo de alcançar um objetivo, por exemplo, para alguém que se propõe a se exercitar ou fazer ioga por 30 dias. Para muitas pessoas, isso funciona. Mas o problema é que elas acham que esses 30 dias já são suficientes para estabelecer um hábito. Só que as coisas não funcionam assim", explica ela. "Sempre temos que pensar no 35.º dia, no 60.º dia, no milésimo dia. Porque 30 dias é como uma linha de chegada e, depois de cruzá-la, é preciso começar de novo. Só que começar de novo é difícil".

Em vez disso, as pessoas precisam pensar melhor na estrutura existente do dia a dia e até refletir sobre comportamentos formadores de hábitos que já tenham funcionado antes para definir como alcançar o sucesso no futuro.

Rubin explica que um desafio de 30 dias é uma ótima maneira de atingir uma meta, mas não de formar um hábito. (Foto: Getty Images)
Rubin explica que um desafio de 30 dias é uma ótima maneira de atingir uma meta, mas não de formar um hábito. (Foto: Getty Images)

"O verdadeiro desafio é pensar bem em tudo isso e se preparar para o sucesso. Na verdade, é mais fácil do que algumas pessoas acham, só que a maioria não segue o caminho certo", comenta ela. "É preciso começar pelo autoconhecimento e reconhecer a verdade sobre fracasso e sucesso".

As quatro tendências desenvolvidas por Gretchen permitem que as pessoas façam exatamente isso, definindo diferentes maneiras pelas quais é possível responder às próprias expectativas e abordar melhor decisões e prazos. Essa abordagem individualizada também tira a pressão da ideia de "fracasso", explica ela.

"O fracasso pode ser uma forma de sucesso", diz ela. "Quando algo não funciona para nós, aprendemos uma lição. Não precisamos nos sentir mal porque agora temos uma informação sobre nós mesmos".

Cortland também lembra os leitores que, embora existam maneiras adequadas de estabelecer novos hábitos, o mundo está cheio de distrações que podem dificultar essa tarefa.

"Ficamos nos martirizando porque queremos comer de forma saudável, dormir melhor, fazer exercícios, meditar e muito mais, mas depois acaba sendo difícil. Na realidade, o mundo ao nosso redor muitas vezes impede isso", comenta Cortland. "Algo prático que podemos fazer é nos concentrar mais no apoio no início. Ouvir alguns podcasts ou conversar com pessoas que apoiem os hábitos que queremos estabelecer, ler sobre o assunto ou assistir a conteúdos que tenham a ver com o tema. Não precisa ser tudo isso, mas algumas dessas atitudes podem reforçar a inspiração e não deixar que ela diminua".

No entanto, assim como não é possível estabelecer hábitos em um passe de mágica, Gretchen diz que também não existe um número mágico de dias para garantir o sucesso nessa tarefa.

"Algumas pesquisas sugerem que são 66 dias, mas isso não significa nada", diz ela, "porque algumas ações nunca se tornam hábitos para algumas pessoas, e outras entram na rotina em menos ou mais tempo. Isso varia muito".