Senador questiona Butantan sobre morte por Covid do sambista Nelson Sargento, que estaria imunizado

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O senador governista Eduardo Girão (Podemos-CE) questionou o diretor do Butantan, Dimas Covas, sobre a morte por Covid-19 do sambista Nelson Sargento, ocorrida nesta quinta-feira (27). Girão afirmou que o sambista havia tomado as duas doses da Coronavac.

"Ele morreu de Covid. E cada vida deve ser respeitada, uma vida humana. A família do compositor tinha anunciado, alguns dias atrás, que o seu quadro clínico piorou nas últimas horas, pedindo orações e dizendo que ele havia tomado as duas doses da vacina Coronavac. O senhor sabia disso?", questionou.

Dimas Covas respondeu que nenhuma vacina garante proteção total e que o índice é inferior em idosos.

Alessandro Vieira (Cidadania-SE) criticou duramente Girão, afirmando que Sargento tinha 96 anos, havia lutado contra um câncer e que seria um "desserviço" do senador usar a morte do músico para questionar a eficácia das vacinas.