Segundo estudo, vitamina D ajuda a prevenir artrite reumatoide

Reprodução/Pixabay PublicDomainPictures

Um estudo realizado pela Universidade de Birmingham concluiu que manter os níveis de vitamina D no organismo ajuda a prevenir a artrite reumatoide, doença inflamatória crônica que provoca dor e inflamação nas articulações.

Os pesquisadores compararam a capacidade de células imunes no sangue em pacientes com a condição para descobrir como reagiam à vitamina D. Descobriu-se que os tecidos que não estavam doentes tiveram uma boa resposta ao tratamento, o que sugere que a chamada vitamina do sol pode possuir efeito preventivo.

Leia mais: Segundo estudo, problemas de olfato podem indicar Alzheimer

Essa condição afeta cerca de 400 mil pessoas no Reino Unido e segundo o co-autor do estudo, Martin Hewison, essa descoberta pode ser fundamental para mudar esse quadro. “Este é um problema particular na população do Reino Unido, onde quase todos ainda terão deficiência de vitamina D, mas é uma preocupação particular para pessoas com doenças inflamatórias”

O estudo é parte de uma pesquisa realizada em 2011, baseada em pesquisas que apontaram que pessoas com artrite reumatoide possuem baixos níveis de vitamina D. Por possuir propriedades anti-inflamatórias, houveram pedidos no Reino Unido para que a vitamina fosse inclusa nos alimentos básicos da população.

Leia mais: Asilo se une a abrigo de animais para que idosos cuidem de gatinhos resgatados

Ela é conhecida por ser essencial para ossos, dentes e manter os músculos saudáveis ​​e um outro estudo publicado este ano sugeriu que ela pode reduzir o risco de resfriados, gripe e outras infecções perigosas, como pneumonia. Para obter a vitamina D, o indicado é manter uma dieta saudável e a exposição solar. Os alimentos, com alto nível da vitamina D, incluem, ovos, salmão e sardinha.

A quantidade de vitamina D necessária para superar a artrite reumatoide será objeto de uma pesquisa adicional, que também quer determinar por que a desordem parece levar à insensibilidade à vitamina D e se o mesmo efeito é observado em outras doenças inflamatórias, como esclerose múltipla e doença inflamatória intestinal. “A quantidade necessária de vitamina para combater essa desordem é a peça que falta no quebra-cabeça”, afirmou Martin.