Sean Connery já justificou dar tapas em mulheres em determinadas circunstâncias

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ator Sean Connery, que morreu neste sábado (31), aos 90 anos, já afirmou que, dependendo das circunstâncias, a mulher merece um tapa. Em 1965, em entrevista à revista Playboy, ele afirmou que não via nada de particularmente errado em bater numa mulher. Connery fazia a ressalva que não deveria bater da mesma maneira que faria em um homem. "Um tapa com a mão aberta é justificado se todas as outras alternativas falharem." Mais de 20 anos depois, o ator foi questionado sobre essa afirmação por Barbara Walters em uma entrevista na televisão americana. "Eu não mudei minha opinião", afirmou o mais famoso James Bond. "Não acho que seja bom, não acho que seja tão ruim. Acho que depende das circunstâncias e se ela merece." Walters, então, perguntou o que faria uma mulher merecer. Sean Connery citou uma atitude provocativa. "Elas querem ter a última palavra e você lhes dá a última palavra, mas elas não ficam felizes. Querem dizer isso de novo e entrar em uma situação realmente provocativa. Então acho que está absolutamente certo." O tema voltou a rondar Connery em 2006. Ele desistiu de participar de um festival político em Edimburgo após comentários do presidente do evento, George Reid, que faria uma entrevista com o astro diante do público. Reid declarou que o questionaria sobre as alegações de que ele havia defendido a necessidade ocasional de dar um tapa em uma mulher. Reid afirmou que pretendia fazer "perguntas difíceis". Dias depois de cancelar sua participação no evento, Connery afirmou que não apoiava a violência contra as mulheres. Amigos divulgaram uma declaração do ator. "Não acredito que qualquer nível de abuso de mulheres seja justificado sob quaisquer circunstâncias", teria dito ele.