Schwarzenegger compara invasão do Capitólio a episódio nazista da Noite dos Cristais

·3 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** Rio de Janeiro, RJ,BRASIL, 01 06- 2015; O ator, Arnold Schwarzenegger posa para foto no Copacabana Palace para divulgar a estreia no novo filme da franquia , Exterminador do Futuro. (Foto: Ricardo Borges/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** Rio de Janeiro, RJ,BRASIL, 01 06- 2015; O ator, Arnold Schwarzenegger posa para foto no Copacabana Palace para divulgar a estreia no novo filme da franquia , Exterminador do Futuro. (Foto: Ricardo Borges/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em um vídeo de quase oito minutos publicado no Twitter neste domingo (10), o ator e ex-governador da Califórnia Arnold Schwarzenegger condenou a invasão do Congresso americano por apoiadores de Donald Trump, comparando o ataque a um dos momentos mais sombrios do nazismo: a Noite dos Cristais.

Schwarzenegger, austríaco naturalizado americano em 1983, lembrou do episódio, ocorrido em 1938, quando cerca de 100 judeus foram mortos, mais de mil sinagogas, destruídas, e milhares de cemitérios, casas e escolas judaicos, vandalizados na Alemanha, na Áustria e nos Sudetos da Tchecoslováquia.

"Quarta-feira foi a Noite dos Cristais bem aqui nos Estados Unidos. Os vidros quebrados foram os das janelas do Capitólio americano", disse o ator, para quem os Proud Boys, grupo de extrema direita que apoia Trump, são os nazistas de agora. "Mas a turba não quebrou apenas as janelas do Capitólio. Ela quebrou as ideias que considerávamos como garantidas."

As comparações com o passado também passaram por um relato pessoal de Schwarzenegger. Nascido em 1947, dois anos depois do fim da Segunda Guerra, ele recorda ter crescido cercado por homens que, para lidar com a culpa de terem participado do "mais odioso regime da história", bebiam sem parar.

"Nem todos eles eram extremistas antissemitas ou nazistas, muito apenas se juntaram, passo a passo, pelo caminho. Eram pessoas que viviam nas casas ao lado da minha", disse ele, antes de recordar uma memória "nunca compartilhada tão publicamente antes", indicando que o pai era um desses homens.

De acordo com o ator, o pai voltava bêbado para casa uma ou duas vezes por semana, gritava e batia nos filhos e apavorava a esposa. "Eu não o culpo totalmente, porque o nosso vizinho estava fazendo a mesma coisa com a família dele, assim como o próximo vizinho. Eles sofriam dores físicas devido aos fragmentos em seus corpos e sofriam dores psicológicas devido ao que viram e fizeram."

O relato pessoal é um preâmbulo para indicar como histórias assim começam.

Para Schwarzenegger, tudo tem início com "mentiras, mentiras, mentiras e intolerância". "Vindo da Europa, eu vi em primeira mão como as coisas podem sair do controle. Sei que há um temor neste país e em todo o mundo que algo assim possa acontecer outra vez aqui. Não acredito que vá acontecer, mas precisamos estar conscientes das terríveis consequências do egoísmo e do cinismo."

Para o ex-governador, Trump não apenas buscou reverter os resultados da eleição, "uma eleição justa", mas também buscou promover um golpe ao enganar as pessoas com mentiras. "Meus pais e meus vizinhos foram enganados com mentiras, e eu sei a que lugar as mentiras levam."

Assim como o atual presidente americano, Schwarzenegger é membro do Partido Republicano, por meio do qual governou a Califórnia entre 2004 e 2011. Mas, assim como outros poucos colegas da legenda, não deixou de criticá-lo. "Ele sairá como o pior presidente da história. A parte boa é que em breve será tão irrelevante quanto uma mensagem velha no Twitter."

A omissão de correligionários que seguem apoiando o presidente, a despeito dos estímulos que ele deu aos vândalos que invadiram o Congresso, também rendeu críticas do ator.

Antes da carreira política, Schwarzenegger ficou famoso no cinema com a franquia "O Exterminador", iniciada em 1984, na qual impôs seu estilo "andróide" com frases curtas ("voltarei") e rosto inexpressivo.

Com o nome de Arnold Strong, fez seu primeiro filme em Nova York, "Hércules" (1970), com sua voz dublada. Já em 1976 usou seu próprio nome para atuar no filme "Stay Hungry". Mas foi em 1982, com "Conan, o Bárbaro", que Schwarzenegger se tornou um astro de filmes de ação.