Sasha é criticada por aula de moda em projeto social em Angola

Sasha. Foto: reprodução/Instagram/sashameneghel

A participação de Sasha Meneghel em um projeto social em Angola está dando o que falar nas redes sociais. A estudante de moda compartilhou seus conhecimentos do ofício com crianças do Projeto Aldeia Nissi e se disse orgulhosa de ter feito parte do processo, mas a notícia não foi bem recebida por parte do público brasileiro, e a polêmica foi parar nos assuntos mais comentados no Twitter.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

O próprio projeto compartilhou um vídeo com bastidores da aula de moda e do desfile promovido com a ajuda de Sasha e de outras voluntárias. “Que dia... Sério, muita gratidão de ter feito parte disso, ver o talento e a garra deles de pertinho! Tenho certeza que é só o começo”, comentou a filha de Xuxa na publicação.

Leia também:

Diante da notícia divulgada em alguns veículos de que a jovem de 21 anos teria ensinado moda africana em pleno continente africano, as reações foram as mais diversas.

O cantor Emicida saiu em defesa da estudante, criticando o tom das manchetes: “Aparentemente, a mina fez um trampo da hora de compartilhar o que aprende na sua formação com gente que não teve a mesma oportunidade.”

Muita gente concordou com o músico, mas houve quem entendesse de outra maneira a iniciativa.

“O problema é, tendo uma centena de países, a branca escolhe logo um na África para ‘ajudar’. Se isso não é síndrome de [princesa] Isabel, vai ser o quê?”, comentou um internauta.

Com a polêmica, a Aldeia Nissi resolveu se manifestar, publicando novos vídeos revelando o aprendizado das crianças depois das aulas de Sasha e de outras pessoas que se propuseram a dar orientações durante as oficinas.

“Foi uma linda troca de experiência entre humanos. Foi emocionante ver a alegria e disposição no dia seguinte, onde o sorriso tomava conta destes rostos tão cansados de sofrer. A fome, falta de água e energia elétrica sim aprisionam, oprimem, escravizam, mas o conhecimento liberta e dá forças pra um povo continuar a lutar! Foi o que aconteceu aqui nestes dias. Em breve teremos um ateliê onde estas africanas, após esta trocas de experiências, poderão montar um grande ateliê onde irão produzir uma moda autossustentável que vai poder exportar pro mundo a força e a beleza dos panos do bié!”, disse o perfil oficial do projeto.