San Sebastián homenageia Juliette Binoche, rosto essencial do cinema francês

Atriz multifacetada que transitou entre o cinema em fracês e inglês, a francesa Juliette Binoche foi homenageada neste domingo (18) no Festival de San Sebastián com o Prêmio Donostia honorário por suas quase quatro décadas de carreira.

O prêmio ao conjunto de sua obra cinematográfica, que começou em 1983 com "Liberty Belle", de Pascal Kané, foi entregue em uma noite de gala no Kursaal, o centro de convenções da cidade basca, no norte da Espanha.

"Muito obrigada ao festival, que acolhe filmes de que gosto e diretores que aprecio; e é que aqui nos sentimos em casa", disse Binoche ao receber o troféu das mãos da diretora espanhola Isabel Coixet, que a dirigiu em "Ninguém quer a Noite" (2015).

Ganhadora de um Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por seu trabalho em "O Paciente Inglês" (1996), de Anthony Minghella, além de prêmios nos festivais de Cannes, Berlim e Veneza, Binoche interpretou uns 75 personagens na telona.

"Nunca julgo um papel, mas o aprecio em suas contradições, em suas sombras, no que finalmente o faz humano", disse Binoche mais cedo em coletiva de imprensa sobre sua filosofia de trabalho.

A atriz de 58 anos, que colaborou com uma miríade de diretores, como Jean-Luc Godard, Krzysztof Kieslowski, Lasse Hallström e Michael Haneke, disse ter "muita sorte" de continuar conseguindo papéis interessantes.

Mas afirmou que no passado precisou dizer não a papéis em que era "a mulher de ou era coisificada", um problema que, destacou, as mulheres sofrem em um certo cinema impregnado de "códigos machistas".

Em San Sebastián, Binoche atua no filme "Fuego" (Avec amour et acharnement), de Claire Denis, apresentado fora da mostra competitiva, no qual encarna uma mulher que se debate entre o amor de dois homens, interpretados por Vincent Lindon e Grégoire Colin.

Binoche se somou à lista de premiados com o Donostia, que inclui Gregory Peck, Bette Davis, Lauren Bacall, e compatriotas suas, como Catherine Deneuve, Isabelle Huppert e Marion Cotillard, no ano passado.

O outro Prêmio Donostia desta 70ª edição do Festival de San Sebastián será entregue na quarta-feira ao diretor canadense David Cronenberg.

du/eg/mvv