Sambista Nelson Sargento morre de Covid aos 96 anos no Rio

·1 minuto de leitura
Sambista Nelson Sargento morre de Covid aos 96 anos no Rio

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O cantor e compositor Nelson Sargento, um dos ícones do samba e do Carnaval do Rio de Janeiro, morreu nesta quinta-feira, aos 96 anos, vítima de Covid-19, informou o hospital onde ele estava internado na capital fluminense.

Sargento era considerado um dos maiores nomes do samba no Brasil. Ele foi presidente da Mangueira, a escola de samba mais popular do Rio, e compôs mais de 400 músicas.

Batizado Nelson Mattos, o músico estava internado no Instituto Nacional do Câncer (Inca) desde o dia 20, após dar entrada com quadro de desidratação, anorexia e significativa queda do estado geral de saúde.

No Inca ele foi submetido a teste de Covid-19, que teve resultado positivo, apesar de ele ter completado o esquema de vacinação. O quadro de saúde do cantor e compositor vinha piorando a cada dia e desde sábado ele estava na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

”Apesar de todos os esforços terapêuticos utilizados, o óbito ocorreu às 10h45”, informou o Inca, que tratava o músico desde 2005, quando foi diagnosticado e tratado para câncer de próstata.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos