Saiba como proteger o seu cachorro ou gato no inverno

Foto: Reprodução/ Pexels Unsplash

Por Mirella Mentone

Com a queda das temperaturas, alguns animais, principalmente os filhotes e os mais velhos, estão mais sujeitos à viroses e outras doenças comuns no inverno. “Estes animais têm o sistema imune mais deficiente e, assim, estão mais suscetível a adquirir viroses nesta época do ano. Além disso, as doenças articulares, como artrose e artrite, que acometem animais mais velhos, também podem intensificar os sintomas nesta época do ano, com dores pelo corpo, nas articulações e dificuldade de andar”, alerta o Dr. Marcelo Quinzani, Diretor Clínico e Veterinário do Pet Care.

A recomendação para evitar estas e outras complicações, assim como o frio, é oferecer abrigo longe do vento e da chuva. “Uma casa protegida com caminha e roupas para aqueles animais de pelos curtos ou mais friorentos”, recomenda o veterinário Michel Gomes.

Se o seu bichinho não gosta de usar roupas, a sugestão é oferecer abrigo dentro de casa ou o uso de aquecedores de ambiente, uma boa alternativa, também, para animais mais velhos. “Se não gostam de roupa é porque não se sentem confortáveis e provavelmente não sentem frio para isso. No caso do passeio devemos nos preocupar somente se estiver chovendo ou realmente muito frio”, explica o Dr. Marcelo.

COMO SABER SE SEU PET ESTÁ COM FRIO

O comprimento dos pelos, segundo o veterinário, não é o único responsável por seu bichinho ser mais ou menos friorento. “A sensação de frio não depende somente do pelo e sub-pelo, mas da camada de gordura e da própria musculatura e atividade física. Animais mais magros e mais calmos tendem a sentir mais frio que os ativos e gordinhos”, explica. “Algumas raças de pelos curtos, como o labrador, suportam bem o frio, enquanto os yorkshires, de pelos longos, costumam ser friorentos”, exemplifica o veterinário Michel.

Além dos fatores citados acima, observar o comportamento do seu pet pode ajudar a identificar quando ele está com frio. “Tremores, ficar encolhido, pelo eriçado e andar curvado são alguns sinais”, descreve Dr. Marcelo.

Na hora de escolher uma roupa para o seu bichinho prefira os tecidos de algodão, em vez de lã ou sintéticos que costumam causar mais irritações. Além disso, o Dr. Michel recomenda alguns cuidados na hora de lavá-la. “Vejo que muitos cães apresentam alergia ao sabão usado na lavagem das roupas. Recomendo lavá-las com sabão de coco líquido indicado para lavar roupas de nenês.”

ALIMENTAÇÃO

Assim como nós, alguns animais também podem sentir mais fome no inverno, decorrente das baixas temperaturas. “Acreditamos que alguns animais chegam a comer no inverno em torno de 25% a mais que nos dias quentes. Assim, a oferta de alimento pode ser maior nessa época do ano”, diz o Dr. Marcelo.

BANHOS NO INVERNO

Ainda segundo o veterinário, banho, somente não é indicado nos dias mais frios e úmidos. “Caso contrário, se precisar, pode manter a frequência habitual de banhos, sempre com água morna para quente e nunca deixá-lo tomar vento quando ainda estiver molhado.”

Para os animais que não estão acostumados com o secador, ou que não deixam secá-los, os banhos a seco, feitos com produtos específicos, servem de alternativa nesta época do ano. “Você também pode tentar secar com uma toalha e aproveitar o sol para ajudar a secar o pelo”, acrescenta o Dr. Marcelo.