Roger Waters responde pedido de Zuckerberg por música: "nem f******"

·2 minuto de leitura
Roger Waters, co-founder and bassist in rock band Pink Floyd, who has announced his participation in a 'Free Assange' rally taking place on Saturday in London. (Photo by Victoria Jones/PA Images via Getty Images)
Roger Waters posa para as câmeras em Londres (Photo by Victoria Jones/PA Images via Getty Images)

Resumo da notícia:

  • Roger Waters negou de forma enfática um pedido de Mark Zuckerberg para usar um dos seus clássicos em um campanha publicitária

  • "A resposta é vá se f****! Nem f******!", disse o músico em evento pró-Julian Assange

  • O empresário estadunidense pretendia usar "Another Brick in the Wall", hit do Pink Floyd, em campanha publicitária do Instagram e Facebook

Roger Waters, antigo líder do Pink Floyd, negou, de forma enfática, um pedido de Mark Zuckerberg para usar "Another Brick in the Wall", uma das suas maiores composições, em uma campanha publicitária do Facebook e Instagram

A negativa tornou-se pública em uma conferência chamada ‘Free Assange Forum’, voltada para a defesa do jornalista Julian Assange, criador do Wikileaks e preso há dois anos no Reino Unido após ser acusado de espionagem pelos Estados Unidos.

Leia também:

"É uma carta do Mark Zuckerberg para mim. Chegou hoje de manhã, com uma oferta de muito, muito dinheiro", disse Waters, dando a sua resposta definitiva logo em seguida. "E a resposta é vá se f****! Nem f******!", completou o músico de 77 anos.

"E só exponho isso porque há um movimento incessante deles pela posse de absolutamente tudo”, disse ainda Waters. O baixista leu detalhes da proposta, que daria plenos direitos a Zuckerberg usar a canção como bem entendesse para fins comerciais.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

“Eles querem usar (a música) para fazer o Facebook e o Instagram maiores e mais poderosos do que já são, censurando a todos nós nessa sala e impedindo que a história de Julian Assange chegue ao público", apontou Waters.

Completando o seu depoimento, Waters ainda lembrou do início controverso do Facebook, quando o site era usado para notas para mulheres de Universidade de Harvard. “E aqui está ele, um dos idiotas mais poderosos do mundo”, finalizou o músico, sobre Zuckerberg.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Ouça o Pod Assistir, podcast de filmes e séries do Yahoo:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.
Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos