Rock in Rio 2022: nos portões da Cidade do Rock, filas e expectativa em alta para primeiro dia de shows

A abertura dos portões da Cidade do Rock, às 14h desta sexta-feira (2), não acabou com a fila de fãs ansiosos para aproveitarem o primeiro dia de shows do Rock in Rio 2022. Mesmo antes da abertura, o movimento na entrada da Cidade do Rock já era grande. O consultor técnico Guilherme, de 28 anos, veio de Belo Horizonte com o primo e o sobrinho para ver a banda Iron Maiden.

Rock in Rio 2022: Tudo o que você precisa saber para ir e curtir o festival

Comprou seu ingresso? Saiba como fazer download obrigatório

Em sua primeira vez no festival, Guilherme elogiou a organização para chegar até o Parque dos Atletas. Ele contou que parou o carro no estacionamento de um shopping próximo e andou até a Cidade do Rock.

— Foi muito tranquilo. Paramos no shopping e tudo muito organizado, sinalizado. A expectativa é bem alta para o evento. Vim curtir o heavy metal de hoje — contou empolgado.

Rock in Rio: Light planeja plano operacional exclusivo para garantir o abastecimento de energia no festival

A brasileira Bianca Lopes, de 43 anos, mora no Chile desde os 7 e voltou para o Brasil com os três amigos chilenos para ver Iron Maiden e Dream Theater pela primeira vez. Os amigos chegaram às 9h dessa sexta-feira no Rio e voltam para o Chile amanhã, às 7h.

— Pegamos um avião e viemos para o Brasil só para ver o show hoje. Nossa primeira vez assistindo Iron Maiden — contou Bianca.

A cidade entrou em estágio de mobilização ao meio-dia desta sexta-feira devido ao início do Rock in Rio e as interdições no trânsito no entorno do evento. O estágio de mobilização é o segundo nível em uma escala de um a cinco e significa que há riscos de ocorrências de alto impacto na cidade.

Para não se perder: Veja o mapa da Cidade do Rock

A subprefeita da Zona Oeste, Talita Galhardo, também esteve na Cidade do Rock e reforçou o trabalho da prefeitura na região. Segundo ela, foram feitas algumas apreensões de ambulantes sem autorização e a fiscalização de estacionamento irregular próximo ao evento.

— A gente tem a área do entorno impactada, mas estamos trabalhando muito para termos o menor impacto possível para quem está nesse entorno. Acredito que vai ser um sucesso. O Rio de Janeiro tem essa cara: eventos, abraço, contato. Acho que é muito bacana e a gente tem que aproveitar e receber as pessoas, principalmente de fora da cidade muito bem, mostrar que o carioca é um povo que recebe muito bem — ressaltou Talita.

Caixa Econômica Federal e Santander: Explosivo detona em agência bancária durante varredura feita por policial de esquadrão antibombas

A estudante Diana Cristina, de 19 anos, veio para o Rock in Rio pela segunda vez e relatou ser uma experiência única. Ela saiu de São João del Rei, em Minas Gerais de caravana para o show desta sexta-feira.

— É uma experiência única, você pode ir em qualquer show que não é igual. Vim para o Iron Maiden e Bullet For My Valetine. Por eles, vale qualquer coisa — contou ela.

Erica dos Santos, de 34 anos, é fã do festival e vem a todas as edições desde 2011. Ela saiu de Maringá, no Paraná, e chegou na cidade nesta manhã. Apesar de não ter tido problemas para chegar, ela sentiu falta de um transporte na rodoviária que seguisse direto para o evento.

Mais de R$ 724 milhões: Sabine Bighici é indiciada pela polícia por golpes contra a mãe envolvendo obras de arte milionárias

— Foi tranquilo chegar, mas eu achei que podia ter um ônibus Rock Express na Rodoviária Novo Rio. Eu vim sozinha e como fiquei insegura, acabei pegando um táxi até aqui — explicou ela.

Antes de entrar no evento, ela contou que pretende ficar bem próxima da grade para assistir o Iron Maiden de perto.

O grupo de amigos mineiros, Adriana e Robson Abreu, Amanda Carvalho, Enio Moura e Luciana Muzzomoura também pegou estrada para assistir à banda inglesa de heavy metal. Os amigos saíram de Pouso Alegre de madrugada e voltarão para a cidade mineira logo após o último show. Pela segunda vez no Rock in Rio, o grupo contou que aguardaram esse momento ansiosos, principalmente por conta da espera causada pela pandemia da Covid-19.