Rock in Rio se rende a Anitta: "Vai estar entre os cinco melhores shows"

Anitta durante show em Londres, na Inglaterra (Foto: Gus Stewart/Redferns)

Por Ana Cora Lima

Apesar de ter seu nome cogitado para ser uma das atrações na edição passada, Anitta ficou de fora do festival. Roberto Medina vetou o nome da cantora alegando que "não se encaixava no perfil". Nesta edição, a história é bem diferente. Com a carreira consolidada no mercado internacional, a funkeira virou o jogo e seu show é uma das apostas da organização.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Roberta Medina. Foto: Brazil News

"Não tenho dúvidas que Anitta vai ser um dos nome do Rock in Rio. Acredito que ela vai estar entre os cinco melhores shows. Ela esteve em Portugal e arrebentou. Claro que seu funk tradicional e super bem-vindo, mas essa pegada mais pop deu um outra dimensão a sua carreira" explicou Roberta Medina, empresária e diretora executiva do festival.

Leia também

Mas, Roberta deixou escapar que apesar de toda a aposta, e até mesmo torcida, teme que algum imprevisto possa atrapalhar a apresentação de Anitta. "Sabe aquela história de que santo de casa não faz milagres? Temos que trabalhar com isso também, mas estou esperando o melhor dela e de todos os outros brasileiros"

Faltando três dias para o início do evento, a empresária ainda falou sobre os empecilhos de trazer as nomes internacionais. "Não teve um artista específico, mas as dificuldades acontecem porque temos que tirar bater as datas, tirar um artista, por exemplo, de uma turnê. A América Latina não tem estrutura de grandes shows como acontece na Europa. Mas, estamos muito felizes de contar agora com Drake e Pink, que nunca vieram antes ao Brasil".

Enquanto, Roberta falava com imprensa, seu pai Roberto, criador do Rock in Rio, saiu apressado para a lateral do palco das entrevistas. Mas, antes, ele desabafou sobre a falta de incentivo do poder público. "Já está mais do que provado que grandes eventos na área de entretenimento trazem lucros e valorizam a cidade do Rio. Não adianta insistir em na cultura da pobreza e da falta de recursos", afirmou Roberto.