Rock in Rio 2022: Ex-BBB reclama de passagens a R$ 13 mil e viaja de carro

Ex-BBB Aline Gotschalg reclama de passagens a R$ 13 mil e viaja de carro para o Rock in Rio 2022 (Foto: Agnews)
Ex-BBB Aline Gotschalg reclama de passagens a R$ 13 mil e viaja de carro para o Rock in Rio 2022 (Foto: Agnews)

Um trecho de cerca de 45 minutos, mas que em período de Rock in Rio pode custar o valor de uma passagem para a Europa ou outro destino a muitos quilômetros de distância. A ex-"BBB15" Aline Gotschalg se surpreendeu com os valores cobrados por companhias aéreas para a viagem e decidiu ir de carro para o festival, que acontece até o próximo dia 11 de setembro.

A ex-BBB Aline Gotschalg (Foto: Leo Franco / AgNews)
A ex-BBB Aline Gotschalg (Foto: Leo Franco / AgNews)

Segundo a influenciadora, as passagens para ela, o marido, o também ex-BBB Fernando Medeiros, e o filho do casal, Lucca, estavam chegando a R$ 13 mil, ida e volta: "Estamos na estrada, indo para o Rio de Janeiro, porque não tivemos coragem, gente. Juro, eu, Fernando e Lucca, estava dando R$ 13 mil, alguma coisa assim, para ir para o Rio. Falamos: 'Não, vamos de carro'", relatou em suas redes sociais.

E não são só as passagens aéreas que estão caras. Com ingressos variando entre R$ 312,50 (meia-entrada) e R$ 625 por dia, o Rock in Rio 2022 é resultado do aumento de quase 400% no valor das entradas ao longo dos últimos 20 anos. Na primeira edição do festival após a implementação do Plano Real, o passaporte custava um quarto de um salário mínimo, fixado em R$ 151. Naquele ano, a Cidade do Rock reuniu mais de 1 milhão e 200 mil pessoas ao longo de sete dias de apresentações.

Em 2022, quem comprou os ingressos antecipadamente, pagou um preço mais em conta: R$ 545 na inteira, quase 100 reais a menos do que o valor final. Ainda assim, o valor era equivalente a quase metade de um salário mínimo na época em que as vendas foram abertas, de R$ 1.100, no final de 2021. Apesar disso, os ingressos para todos os dias do festival estão esgotados.

Segundo estimativa Rio Convention & Visitors Bureau (Rio CVB), A cidade do Rio de Janeiro deverá receber cerca de R$ 41 milhões em Imposto sobre Serviços (ISS) por conta do festival. O ISS é um imposto que incide sobre os serviços prestados mediante a utilização de bens ou serviços públicos. É um imposto pago por quase toda atividade econômica a não ser nas ações de exportações, relações de emprego e negociação de títulos e ações e outros valores mobiliários.

Comer e beber no RiR também ficou caro

Quem quiser comer ou beber durante o festival, também terá que desembolsar uma boa grana, já que os valores estão bem altos na nova edição: uma pizza, por exemplo, custa R$ 40 e uma pipoca não sai por menos de R$ 55. Água será vendida a R$ 6, mas a cerveja, que costuma fazer sucesso no evento, sairá por R$ 15.

De volta na edição deste ano, o Espaço Favela oferecerá opções mais interessantes para quem não está afim de comer besteiras durante o Rock in Rio. Em todos os dias, o público terá novamente a chance de experimentar comidas e bebidas de 21 restaurantes localizados em 18 comunidades cariocas. Os empreendedores foram escolhidos em parceria com o Sebrae, e terão seus produtos vendidos nos três bares que compõem o Espaço.