Roberto de Andrade dá crédito a Luan, admite trocas e descarta grandes reforços no Corinthians

Alexandre Praetzel
·5 minuto de leitura
Luan ganhou crédito de Roberto de Andrade, mas pode ser incluído em alguma troca. Foto: Marcello Zambrana/AGIF
Luan ganhou crédito de Roberto de Andrade, mas pode ser incluído em alguma troca. Foto: Marcello Zambrana/AGIF

Roberto de Andrade, ex-presidente e atual diretor de futebol do Corinthians, concedeu uma entrevista exclusiva e esclarecedora ao blog. No papo de quase uma hora, o dirigente falou sobre a gestão, finanças, possibilidades de reforços e Luan. Acompanhem abaixo os principais tópicos.

Por que você voltou ao Corinthians?

Meu afastamento, logo depois que eu saí da presidência, acho que é uma coisa natural, até porquê você tem um presidente novo e ficar falando e dando opiniões, isso incomoda e eu preferi ficar na minha torcida de longe, frequentando o clube para bater papo. Agora, com a eleição do Duílio, ele me chamou e temos uma relação próxima por termos trabalhado juntos no futebol por muitos anos. Tenho um apreço muito grande por ele e achei que ele merecia esse meu retorno para ajudá-lo da melhor forma possível.

Leia também:

Corinthians vai contratar reforços e reduzir o elenco?

Quando falamos em enxugar o elenco, não é mandar ninguém embora. O futebol tem regras trabalhistas rígidas e num contrato de dois, três anos, você tem que arcar até o último mês de contrato. A forma para aliviar o elenco é emprestar alguns jogadores, que o treinador não vai contar para a próxima temporada. Não tem outra saída. A gente sabe que o nosso futuro será com muito pé no chão. Não temos condições e o Duílio tem o propósito de sanear a parte financeira para termos um fluxo de caixa mais leve para tocarmos o dia a dia do clube. Para isso, temos que tentar ser assertivos e manter o time disputando título de qualquer campeonato que a gente participe.

O trabalho do Vagner Mancini te surpreendeu ou você sempre o achou capaz de comandar o Corinthians?

Não me surpreendeu. Sempre tive um apreço pela pessoa dele. Já tinha falado com ele em algumas vezes e sempre gostei do estilo dele. Muito educado, aberto ao diálogo, de conversa, de tudo. A gente está bem feliz com ele, o elenco também, o trabalho é muito bem feito. Ele fica conosco, participando de todo o processo para a temporada. Estamos bem alinhados.

Vocês pretendem negociar o Luan?

O Corinthians fez um investimento alto nele e você não pode abandoná-lo. Já cansamos de ver jogadores que chegaram e no primeiro ano não conseguiram render para depois entregar tudo aquilo que os torcedores esperavam. Não podemos desistir do jogador, ele está inserido no grupo, é um atleta dedicado nos treinos. Agora, as vezes as características dele no momento podem não agradar o torcedor. Ele já mostrou que tem futebol e precisamos de um pouco mais de paciência. Em três anos, um jogador que foi o melhor da América, não pode deixar de ser. Com a camisa do Corinthians, talvez ele ainda não se sinta à vontade, mas vale a pena a gente insistir mais.

Vocês podem incluir o Luan numa troca por outro jogador?

Pode ser, por que não? Se a gente chegar a conclusão de que o jogador que vier, a gente vai ganhar com isso, tecnicamente falando, não vejo problema com nenhum jogador do elenco. A gente sempre quer melhorar. A ideia não é ruim não.

Renovações de Cazares, Otero e Jemerson vão acontecer?

Estão em andamento. Acredito que a gente vai ter sucesso. Não é fácil quando fala de dinheiro, um lado quer menos, outro quer mais, normal. Então, a gente fica num impasse, demora uns dias, retoma e assim vai, mas acho que vai acabar tudo bem. O mais dificil é o Jemerson, que envolve valores bem mais altos.

Sobre possibilidades de reforços, o blog colocou alguns nomes para o dirigente.

“Neste exato momento, não temos nenhuma negociação. Nem para chegar, nem para sair do clube. Estamos só vendo o que vamos fazer”.

Nikão (Athletico-PR) - “Não faz parte dos nossos comentários diários com a comissão técnica”.

Vina (Ceará) - “Também não”.

Gignac (Tigres-MÉX) - “Fora da realidade. É um bom jogador, mas com 35 anos. Como você vai trazer um jogador de 35 anos para disputar um campeonato com quarta e domingo e 70 jogos por ano? Sem falar nos valores inviáveis que ele ganha”.

Róger Guedes (Shandong Luneng-CHI) - “Pelo que eu sei, quer acabar seu contrato com o time chinês. É um bom jogador, não tenha dúvida”.

Willian Bigode (Palmeiras) - “Não está vindo para o Corinthians. Acontece que o contrato dele termina em dezembro de 2021, então todo mundo fica especulando ele, até porquê ele jogou aqui. Eu o acho um baita jogador, uma pessoa melhor ainda, mas neste momento, não. O futuro a gente nunca sabe, mas neste momento, não”.

Henrique Dourado (Henan Jianye-CHI) - “Não”.

Renato Augusto (Beijing Guoan-CHI) - “Todo mundo que está na China é difícil. Os valores são inviáveis. Ninguém ganha R$ 2 milhões e quer vir aqui para ganhar R$ 300 mil. Ninguém aceita jogar numa camisa pesada como a do Corinthians para ganhar pouco dinheiro. Esse é o problema. Pelo tamanho da responsabilidade de jogar no Corinthians, não é fácil”.

Pedro Rocha( Spartak Moscou) - “Não senhor”.

Gilberto (Bahia) - “Não”.

Guilherme Bala (atacante do Madureira) - “Foi muito perguntado a mim sobre ele. É do Madureira, estava emprestado ao Flamengo. Não temos nenhuma negociação com ele”.

O Corinthians pretende cortar gastos e reduzir a folha salarial. Nomes como Éderson, Everaldo, Davó e Jonathan Cafu podem ser emprestados a outras equipes.