Coronavírus: reclusa há 8 anos, Rita Lee dá dicas para encarar quarentena

Rita Lee. Foto: reprodução/Instagram/litaree_real

Cuidar de bichinhos de estimação, plantas e se dedicar à arte são algumas das dicas da cantora Rita Lee para os cidadãos presos em casa durante a quarentena por conta do novo coronavírus. A artista fala com experiência no assunto, já que vive há oito anos reclusa em casa.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

“Nada melhor do que ter a companhia de bichos, que oferecem serenidade e alegria: cuidar e brincar com animais faz o tempo passar de maneira mais divertida. Arranjar uma mudinha de planta e acompanhar o crescimento dela é emocionante. Aproveite e plante em vasinhos: cebolinha, salsinha, tomates-cereja... até alface. Descole uma orquídea, ainda com brotinhos, para acompanhar o desabrochar, lindamente, dia a dia”, afirmou Rita, em depoimento à coluna de Ancelmo Gois no jornal “O Globo”.

Leia também:

A cantora contou ainda que gosta de pintar telas enquanto ouve música, entre outras atividades artísticas: “Tenho feito tricô, fabrico mantas para os bichos usarem quando o inverno chegar. Escrevi uma letra vudu sobre o coronavírus e fiz uma música punk para combinar com a noia que acontece: chama-se ‘Vírus do horror’”.

Rita também ocupa o tempo fazendo as unhas e vendo séries e filmes antigos. “Outro dia matei a saudade de um clássico dos anos 1950, ‘O Dia em que a Terra Parou’, bem no clima de hoje. E, é claro, sempre rola um filme de James Dean no salão”, disse.

Outra medida importante, segundo ela, foi reduzir o tempo acompanhando o noticiário - apenas três horas diárias, para não ficar “deprê”. Acender velas e incensos, arrumar gavetas e escrever também são passatempos que ela adotou, junto com o hábito de lavar as mãos várias vezes ao dia e aplicar álcool em gel. O único problema apontado pela artista é mesmo não poder receber visitas dos filhos e netos, resolvidos com conversas via vídeo.

Segundo ela, o confinamento forçado tem um propósito divino. “Um teste para que aqueles que sobreviverem a essa guerra invisível se conscientizem de que o planeta Terra está realmente sendo destruído pelos donos do poder de cada país. E que se não modificarem radicalmente seus comportamentos em todas as áreas, aí, sim, será a Terceira Guerra derradeira. Saúde física, mental, psicológica e espiritual para todos!”, concluiu.