Ricky Martin volta a criticar governo de Porto Rico após terremotos

João Pedro Malar*


Atualizada em 28/01/2020 às 16:10

O cantor Ricky Martin criticou neste domingo, 26, as autoridades, tanto de Porto Rico quanto dos Estados Unidos, pela pouca ajuda dada aos afetados por terremotos que atingiram a ilha nas últimas semanas.

“19 dias e meus compatriotas seguem dormindo na rua. A equipe de @rm_foundation [organização do cantor] e nossos voluntários estão fazendo todo o possível para trazer bem-estar para os atingidos. O governo estatal não tem feito muito e o governo federal estadunidense muito menos”, disse o cantor porto-riquenho no Twitter.

“Só quero que as vítimas saibam que não estão sozinhas. Estamos fazendo o necessário para que saiam dessa situação. Nossos filhos tem de voltar para a escola já”, continuou Martin, que também publicou fotos da atuação da Fundação Ricky Martin na ilha.

Desde 28 de dezembro, Porto Rico tem sofrido com uma atividade sísmica inusitada que atingiu seu auge no dia 7 de janeiro, quando um terremoto de magnitude 6.4 na escala Richter provocou uma morte, cerca de quatro mil refugiados e centenas de moradias danificadas.

No dia 24 de janeiro, Martin pediu a renúncia da governadora Wanda Vázquez devido à forma como ela tem gerido a crise na ilha. “Homens, mulheres, voluntários, o terceiro setor, empresas privadas, eles estão fazendo o trabalho que você [Vázquez] deveria fazer”, disse o cantor. Antes disso, no dia 20 de janeiro, Martin disse que iria participar de manifestações no país contra a política.

“Não existem mecanismos jurídicos para que você saia e pague por todo o sofrimento que vocês estão gerando em nós, mas a boa notícia é que em novembro teremos eleições e o povo irá se rebelar mais do que nunca”, concluiu Martin.

Novo álbum de Ricky Martin

Ricky Martin também anunciou que seu novo álbum, Movimiento, foi inspirado na situação de Porto Rico, em especial os protestos que acontecem no país contra Wanda Vázquez e que derrubaram o antigo governador, Ricardo Roselló.

Martin contou em entrevista que, inicialmente, o álbum seria mais romântico, mas tudo mudou com a situação político da sua terra natal. “Quando eu retornei para o estúdio, tudo que eu tinha feito musicalmente sumiu, porque eu tinha um material poético em minha mente para compartilhar com o mundo depois do que ocorreu nas ruas de Porto Rico", comentou o cantor, lembrando da sua participação nos protestos que ocorreram na ilha.

O álbum novo contará com 12 músicas. "Em todas elas eu irei, de algum jeito, expressar tudo que eu vivi [em Porto Rico]", relatou o cantor. A primeira canção Tiburones (Tubarões, em português), foi lançada no dia 23 de janeiro e conta com um clipe que mostra o confronto entre manifestantes porto-riquenhos e a polícia de Porto Rico.

Com informações da EFE e da AP

*Estagiário sob supervisão de Charlise Morais