Ricardo Pereira relembra racismo contra filhos de Giovanna e Bruno: "Não é um caso isolado"

O global Ricardo Pereira não deixou de falar sobre um tema importante e delicado ao Yahoo Entrevista. De Portugal e amigo íntimo de Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso, o caso de racismo sofrido por Titi e Bless, filhos do casal, tocou e sensibilizou bastante Ricardo: "São meus grandes amigos. É muito triste, não pode voltar a acontecer! Giovanna e o Bruno são minha família, pessoas que eu admiro muito pela sua força, sabe?", inicia.

Atualmente em "Cara e Coragem", novela das sete, esse não é o primeiro projeto de destaque do ator, que já foi abraçado pelo público brasileiro. Ricardo Pereira é o grande nome de Portugal no Brasil e foi incisivo ao criticar os atos racistas de seu país:

"Portugal, como qualquer outro país, tem que caminhar numa direção de justiça social igualitária, com os mesmos direitos para todos, o mesmo respeito, mas não podemos achar que o país é assim", pondera.

Pai de três crianças e casado com a marchand Francisca Ramalho, o artista é bem ligado em pautas sociais, algo que tenta passar para os filhos Vicente, Francisca e Julieta. "Esses assuntos tém que vir à tona, tem que ser alertado para as pessoas que estão erradas. São casos que acontecem no mundo, que têm que ser olhados, têm que ser corrigidos. Não é um tema só de xenofobia que a gente está vivendo. Eu não diria que é um caso isolado, e sei que não é um caso isolado de Portugal", complementa.

Leia também:

Denúncias de xenofobia contra brasileiros crescem 433% em Portugal

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Está em casa!

É certo que Ricardo é natural de Lisboa, mas o Brasil cativou seu coração há pelo menos 20 anos! Ele nem mesmo estranhou quando chegou por aqui. Longe dos estereótipos que envolvem a cultura portuguesa ou mesmo a suposta rivalidade Brasil X Portugal, o ator cresceu em contato com a nossa cultura, especialmente quando o assunto é novela. "Quando eu cheguei pela primeira vez, eu me senti total em casa. Diria que eu já pertencia a esse lugar. Com o tempo, não só na minha vida profissional, mas na minha vida pessoal, eu fui entendendo que o meu lugar também é aqui! Tenho três filhos que nasceram aqui, tenho muitos amigos".

Hoje ele vive o vilão sedutor Danilo no folhetim das sete, mas foi lá atrás, em "Como uma Onda" (2004), que Pereira solidificou sua carreira em terras tupiniquins, com seu primeiro protagonista não-brasileiro numa telenovela da Rede Globo. O rótulo de galã não o incomoda, pelo contrário:

Que bom que eu tenho características físicas que me permitem fazer todo tipo de personagens e isso sim me deixa feliz, me deixa contente. E zero problema! Podem me chamar de galã, de vilão, de malvado favorito, como quiserem!

Ricardo brinca, mas a gente que agradece, não é?!