Gravidez: as alternativas para a infertilidade masculina

Mudanças de hábitos de vida, como alimentação e exercícios, podem reverter a infertilidade masculina (Getty Images)

Apesar de não haver regras nas dinâmicas familiares, ter um filho, quase sempre, costuma ser um plano dos casais, sejam eles hétero ou homoafetivos. Embora a gravidez esteja associada às mulheres, e a sociedade costuma cobrar delas a responsabilidade pela gestação, em média 30% do insucesso na gravidez tem origem masculina. Isso mesmo: o problema pode estar relacionado ao homem. 

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

O ginecologista e obstetra Ricardo Luba é especialista em reprodução humana. Em seu consultório, costuma testemunhar o drama dos casais que pretendem engravidar e não conseguem.  Conhecendo muito bem o universo clínico e comportamental envolvido, Luba afirma que, três a cada dez casais, a infertilidade conjugal tem origem em alguma causa masculina. "A infertilidade  é multicausal, vai de problemas genéticos a doenças adquiridas", explica.

Leia também

Varicocele é a mais comum nos casos masculinos 

Nos homens, a principal delas é a varicocele, mais conhecida como varizes do testículo. A doença, que tem um fator genético importante, muitas vezes só é diagnosticada quando há dificuldade na gestação. O lado bom é que a doença pode ser revertida, seja com fármacos ou cirurgia.

Mas a infertilidade masculina também pode estar relacionada a outras alterações genéticas ou do DNA, além de doenças como hipotireoidismo e caxumba explica o Dr. Luba, advertindo que fatores internos e externos, além de comportamentais também interferem na qualidade do sêmen e a quantidade de espermatozóide. Entre eles: obesidade, tabagismo, consumo excessivo de bebida alcoólica, uso de anabolizantes,  contato com agrotóxicos. A idade do paciente, principalmente após os 45 anos, também é um fator a ser considerado.

Fertilização in vitro e mudanças de hábitos 

O médico orienta existirem diversos tratamentos disponíveis. “Entre eles, a fertilização in vitro, a inseminação intrauterina e a coleta dos espermatozóides do testículo e epidídimo, mas não indica que eles são a única possibilidade terapêutica. Em alguns casos, basta a mudança de hábitos para que o problema seja revertido.” Por exemplo, o controle da obesidade, que é um fator importante nos índices de infertilidade e a suplementação vitamínica.

É importante consultar um médico para diagnosticar o que causa a disfunção (Getty Images)

O Dr. Luba destaca a importância da análise, por um especialista, justificando que “cada paciente apresenta um caso diferente” e apenas um diagnóstico atento levará à indicação terapêutica. “É preciso consultar um especialista, para fazer os exames adequados e descobrir qual a melhor solução para cada caso”, esclarece.

Infertilidade atinge 80 milhões de pessoas no mundo 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, 80 milhões de pessoas, em todo o mundo, enfrentam problemas de infertilidade. O problema, contudo, apenas poderá ser confirmado após um ano de tentativas frustradas. Não se pode descartar a ausência total de espermatozóides e nesses casos, que são menos frequentes, o casal que mantiver o projeto de aumentar a família pode recorrer ao banco de sêmen ou adoção.