Resposta à ameaça de Heleno gera atrito entre partidos, Maia responde e oposição reclama

CAMILA MATTOSO, MARIANA CARNEIRO E GUILHERME SETO
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASILIA, DF, BRASIL, 01-04-2020 - O ministro chefe do GSI General Augusto Heleno. O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da economia Paulo Guedes durante pronunciamento à imprensa no Palácio do Planalto para falar sobre as medidas de combate ao Coronavírus. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A ameaça feita pelo general da reserva Augusto Heleno, ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), às instituições na última sexta-feira (22) gerou atrito entre políticos de centro e do centrão.

Os líderes das legendas não conseguiram chegar a um acordo sobre o formato de resposta ao ministro, apesar de concordarem que havia necessidade de uma ação por parte do Congresso.

Os deputados Paulinho da Força (Solidariedade-SP) e Marcos Pereira (Republicanos-SP) prepararam uma nota a ser assinada por todos os partidos, mas o conteúdo desagradou parte do grupo, e a empreitada foi cancelada.

A ênfase do documento estava no discurso da necessidade de garantir a governabilidade. Já PSDB e DEM queriam uma defesa da democracia.

Sem consenso, restou ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), elaborar uma declaração que, para a oposição, mostrou timidez frente aos ataques do governo de Jair Bolsonaro (sem partido).

Nesta terça (26), em uma referência direta a Heleno, Maia afirmou que o Legislativo "respeita e cumpre as decisões judiciais, mesmo quando delas discorda".

Mas outro trecho, em que disse ver como natural o esforço do governo em formar uma base, foi criticado na esquerda por parecer um sinal de concessão ao centrão, que negocia cargos e emendas em troca de apoio a Bolsonaro.

"Ao invés de ser criticado, esse esforço deve ser respeitado. O sistema democrático exige a convivência republicana entre Executivo e Legislativo", disse Maia.

Foi a primeira manifestação do presidente da Câmara após a nota de Heleno e a divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril.