Repórter chora ao vivo no Bom Dia SP durante cobertura da tragédia em Taguaí

·1 minuto de leitura
ITAÍ, SP, 26.11.2020 - VELÓRIO-VÍTIMAS-ACIDENTE-SP - Amigos e familiares no Cemitério Municipal de Itaí, no interior de São Paulo, durante enterro das vítimas do acidente entre um ônibus e um caminhão que causou 41 mortes e deixou dez pessoas feridas na manhã de quarta-feira (25) na região de Avaré, também no interior de São Paulo. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)
ITAÍ, SP, 26.11.2020 - VELÓRIO-VÍTIMAS-ACIDENTE-SP - Amigos e familiares no Cemitério Municipal de Itaí, no interior de São Paulo, durante enterro das vítimas do acidente entre um ônibus e um caminhão que causou 41 mortes e deixou dez pessoas feridas na manhã de quarta-feira (25) na região de Avaré, também no interior de São Paulo. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS0 - A tragédia que culminou na morte de 41 pessoas na quarta-feira (25) em Taguaí, no interior de São Paulo, foi noticiada com muita emoção pela repórter Nathália Silva nesta manhã de quinta (26), durante o jornal Bom Dia São Paulo (Globo).

A jornalista que está na cidade de Itaí, em um dos ginásios cedidos pela prefeitura para realizar os velórios das vítimas do acidente, chorou ao vivo enquanto informava sobre o luto de parentes e familiares. "O clima é de muita tristeza. Todo mundo consternado. A cidade nunca passou por isso antes", afirmou Silva, que logo em seguida não conteve as lágrimas.

Rodrigo Bocardi se sensibilizou com a emoção da repórter e desejou força à ela durante a cobertura. "Forças a todos os profissionais de imprensa que estão trabalhando. A Nathália está ali de perto, como se conhecesse aquelas pessoas. É algo muito grave o que aconteceu. Quem está mais perto vive esse impacto."

O ônibus que colidiu com um caminhão na altura do km 172 da rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho, entre Taguaí e Taquarituba, região de Avaré, não possuía registro para o transporte de passageiros e rodava ilegalmente havia mais de um ano.

O acidente foi um dos mais graves já registrados em rodovias no estado. 37 pessoas morreram no local da colisão e outras quatro foram socorridas, mas morreram em unidades hospitalares. Há ainda dez feridos. A tragédia gerou uma mobilização recorde no Hemocentro de Botucatu, que obteve 160 doadores de sangue nesta quarta, 33% mais que a média diária, de 120 coletas.