Renato Teixeira, parceiro de Sérgio Reis, se manifesta após polêmica do cantor

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, BRASIL, 11-09-2013 -  Entrevista com o cantor Sergio Reis. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, BRASIL, 11-09-2013 - Entrevista com o cantor Sergio Reis. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O compositor Renato Teixeira, 72, parceiro na música de Sérgio Reis, 81, que esteve envolvido em polêmicas recentemente, se manifestou em seu perfil no Instagram. "A democracia é um bem conquistado a duras penas. A música é uma arte democrática", começou.

"Portanto, jamais usarei o meu prestígio para tentar usurpar o nosso sistema democrático", escreveu o compositor. Reis teve um áudio divulgado, no qual afirmava que caminhoneiros parariam o país em setembro até que o Senado afastasse os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) de seus cargos.

Nos comentários da publicação, Teixeira recebeu apoio e elogios de anônimos e famosos como o apresentador Zé Luiz, Letícia Sabatella, Lucio Mauro FIlho e Priscila Sol. "Bravo mestre", escreveu o ator Lucio Mauro Filho. "Não esperávamos menos de você", comentou um internauta.

Reis e Teixeira já chegaram a ganhar um Grammy Latino juntos, no ano de 2015. Os amigos gravaram dois álbuns intitulados "Amizade Sincera um e dois", nos anos de 2010 e 2015. Em 2020, já durante a pandemia de coronavírus, eles fizeram lives juntos e tinham alguns shows marcados.

No áudio que veio a público no fim de semana, Reis dizia em conversa com um amigo que "se em 30 dias não tirarem os caras nós vamos invadir, quebrar tudo e tirar os caras na marra. Pronto. É assim que vai ser. E a coisa está séria". Ele também relatou uma reunião que teve com o próprio presidente Jair Bolsonaro e com militares "do Exército, da Marinha e da Aeronáutica", em que informou o que faria.

Segundo a coluna Mônica Bergamo, Reis está deprimido e passando mal, com uma crise de diabetes, após a repercussão do áudio. "Ele está muito triste e depressivo porque foi mal interpretado. Ele quer apenas ajudar a população. Está magoado demais", disse a mulher dele, Ângela Bavini.

Com os áudios, atriz Verônica Debom, de "Órfãos da Terra" e do extinto humorístico Tá no Ar (Globo), foi uma que se manifestou. "Sérgio Reis, meu filho, panela velha a gente usa para bater na janela e gritar 'Fora, Bolsonaro!", escreveu nas redes sociais.

Já o cantor Tico Santa Cruz sugeriu a prisão do colega. "Oi, ministro Alexandre de Moraes, sabe nos dizer quando será lançado o novo disco do Sérgio Reis, 'Menino da Papuda'?", ironizou. A cantora Assucena, do trio As Baías, fez uma distinção entre o artista e sua obra. "Há a possibilidade de rechaçar Sérgio Reis, respeitando a relevância de sua obra?", questionou.

"Obra que inclusive contradiz seu conluio com o desgoverno? Queimar discos parece com o quê? É bem diferente da ação de derrubar monumentos de opressão e reivindicar a construção de uma memória de liberdade."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos