Relembre cinco mulheres que marcaram o ano de 2019

Greta Thunberg se destacou pela sua luta contra o aquecimento global. Foto: Reprodução/Instagram

O ano de 2019 está acabando. Porém, algumas mulheres ficaram marcadas na História mundial durante o período. Relembre, a seguir, algumas personalidades que foram destaque e que levantaram importantes pautas em discursos e com suas atitudes.

Greta Thunberg

É impossível pensar nas pessoas que se destacaram no ano de 2019 e não lembrar da ativista Greta Thunberg. Com apenas 16 anos, a garota fez com que importantes líderes internacionais prestassem atenção no que ela tem a dizer sobre as mudanças climáticas.

Leia também:

Em um poderoso discurso feito na Cúpula do Clima na ONU (Organização das Nações Unidas), a sueca afirmou que os políticos presentes no local só tinham “palavras vazias” e que a sua infância foi roubada por aqueles que estão no poder e que nada fazem para resolver o problema do aquecimento global.

“As pessoas estão sofrendo. As pessoas estão morrendo. Ecossistemas inteiros estão entrando em colapso. Nós estamos no início de uma extinção em massa e tudo o que vocês falam é sobre dinheiro e um conto de fadas de crescimento econômico eterno”, disse a jovem em um dos momentos mais marcantes de seu discurso.

Por conta de sua atuação na área, a jovem foi considerada a pessoa do ano pela revista Time, uma das mais importantes publicações de todo o mundo. Além disso, mesmo sem intenção, Greta também acabou sendo uma importante voz para as pessoas com Síndrome de Asperger (um espectro do autismo, em que a pessoa tem dificuldades de comunicação). 

"Quando os inimigos te criticam pela sua aparência e diferenças, isso significa que eles não têm mais para onde ir. E, então, você sabe que está ganhando. Eu tenho Asperger e isso significa que, em alguns momentos, sou um pouco diferente da norma. E, dadas as circunstâncias, ser diferente é um superpoder", disse a jovem em seu Twitter.

A miss universo trouxe importante debate sobre racismo e sexismo. Foto: Reprodução/Instagram

Zozibini Tunzi

Coroada miss universo em dezembro deste ano, a sul-africana Zozibini Tunzi, de 26 anos, trouxe uma importante representatividade para mulheres negras e de cabelo natural que, por conta de uma sociedade racista, nunca se sentiram belas. A última mulher negra a vencer o concurso foi a angolana Leila Lopes, em 2011.

Mesmo com as críticas feministas em relação aos concursos de beleza, Zozibini conseguiu mostrar além de sua evidente beleza, toda sua inteligência problematizando questões de raça e gênero em suas respostas no concurso. Quando foi questionada sobre o que era importante ser ensinado para jovens garotas hoje em dia, a miss disse “liderança”.

"É algo que está em falta para jovens garotas e mulheres por muito tempo. Não por não querermos, mas pelo o que a sociedade determinou que as mulheres devem ser. Eu acho que nós somos os seres mais poderosos do mundo”, afirmou em um discurso que foi ovacionado pelas pessoas presentes no local onde era realizado o concurso. 

Em outro momento de sua participação, ela falou sobre o racismo. “Eu cresci em um mundo em que uma mulher que se parece comigo, com meu tipo de pele e cabelo, nunca foi considerada bonita. Isso acaba hoje. Quero que as crianças olhem para o meu rosto e se vejam nele”, disse.

Lizzo falou sobre amor próprio e auto estima. Foto: Reprodução/Instagram

Lizzo

A cantora norte-americana Lizzo foi destaque durante o ano de 2019 com músicas que falam sobre empoderamento feminino, amor próprio e aceitação. Com suas canções e discursos poderosos, a artista mostrou que não existe problema nenhum em se amar primeiro para poder amar os outros depois.

Mulher, negra e gorda, Lizzo tem muito a dizer. Um dos momentos mais marcantes da cantora durante o ano foi quando ela performou suas músicas Truth Hurts e Good as Hell no Video Music Awards. Ao lado de mulheres com todos os tipos de corpos e diferentes tons de pele, ela fez um discurso empoderador, recebeu aplausos e levantou o público.

"Eu estou cansada dessa palhaçada e eu não preciso saber da sua história para saber que você também está cansada dessa palhaçada. É tão difícil tentar se amar em um mundo que não te ama de volta, não estou certa? Então, eu vou usar essa oportunidade agora para me sentir bem pra caramba. Você merece se sentir bem pra caramba”, afirmou durante a sua apresentação.

Durante uma entrevista ao apresentador Trevor Noah, do programa The Daily Show, Lizzo falou um pouco sobre o seu processo de auto aceitação e amor próprio. "Você sabe o que é interessante? Antes de o termo body positive (ver seu corpo de forma positiva) ser tão popular, eu só estava fazendo música sobre o meu corpo que era positiva”, afirmou.

“Eu tinha uma música que se chamava I'm in love with myself (em tradução, eu estou apaixonada por mim mesma) e eu a lancei em 2015. E, quando eu a apresentava no palco, isso chocava as pessoas e elas ficavam 'nossa, como ela ousa? Nossa, ela é tão valente. Mas ela está falando sério? Ela realmente se ama?' e eu ficava tipo 'por qual motivo vocês estão fazendo essas perguntas idiotas? Vocês querem que eu me odeie?’", disse a cantora.

Cantora conquistou importantes espaços mesmo sendo bastante nova. Foto: Reprodução/Instagram

Billie Eilish

É impossível ter passado pelo ano de 2019 e não ter ouvido ao menos uma música da cantora norte-americana Billie Eilish. Com apenas 18 anos, ela foi indicada para seis categorias do Grammy, sendo quatro delas as principais do prêmio. Sendo assim, ela se tornou a pessoa mais nova a concorrer em todas as categorias.

Mesmo tão jovem, ela também foi considerada a mulher do ano pela Billboard, uma das maiores revistas de música dos EUA (Estados Unidos da América). "Eu quero agradecer a todas as mulheres do passado que foram a razão para que eu pudesse ser do jeito que eu sou e pudesse fazer o que eu quero", afirmou em seu discurso durante a premiação.

Com um estilo bem peculiar, a cantora já foi criticada por usar roupas muito largas. Porém, tudo isso não passa de um método de defesa de Billie para não ser assediada e para que seu corpo não seja motivo de pautas na mídia e nas redes sociais. Em uma campanha para a marca Calvin Klein, ela afirmou que “ninguém vai ter uma opinião [sobre meu corpo] porque eles nunca viram o que está por baixo”.

Além disso, a cantora já falou sobre o fato de ter Síndrome de Tourette (doença crônica e sem cura que causa alguns tiques na pessoa afetada) e ajudou outras pessoas a se aceitarem. Em entrevista à apresentadora Ellen DeGeneres, ela afirmou que sempre teve que conviver com a condição.

Cantora mostrou que nunca é tarde para a desconstrução. Foto: Reprodução/Instagram

Taylor Swift

A cantora norte-americana já foi muito criticada por criar competitividade entre mulheres com suas músicas e atitudes. Porém, em 2019, Taylor Swift mostrou que nunca é tarde para buscar a desconstrução e rever os erros do passado para se tornar uma pessoa melhor. 

Além de fazer as pazes com sua antiga rival Katy Perry no clipe da música You Need to Calm Down, ela também defendeu a comunidade LGBT. Além de contar com a participação de várias celebridades que fazem parte da comunidade, o clipe também foi co-dirigido e co-produzido por pessoas LGBT. 

Durante o ano, Taylor também apresentou uma petição ao Senado dos Estados Unidos para que seja aprovada uma legislação que proteja a comunidade de discriminação, foi eleita a mulher da década pela revista Billboard e foi homenageada como artista da década no American Music Awards.