Relembre as indicações do Brasil ao Oscar

O Brasil chegou perto de ganhar um Oscar na categoria quatro vezes (Getty Images)

Da Palma de Ouro em Cannes com ‘O Pagador de Promessas’ em 1962 ao Urso de Ouro em Berlim com ‘Central do Brasil’ em 1998 e ‘Tropa de Elite’ em 2008, o Brasil venceu importantes prêmios do cinema mundial. Mas nunca o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Leia também:

Quatro filmes representaram o Brasil entre os indicados ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Relembre:

'O Pagador de Promessas'

Leonardo Villar interpretou Zé do Burro no longa (Foto: Reprodução/IMDb)

Na sequência da consagração com a Palma de Ouro - único filme brasileiro a levar o prêmio - a saga de Zé do Burro dirigida por Anselmo Duarte foi o primeiro representante do Brasil indicado ao Oscar de Filme Estrangeiro, em 1963. O vencedor, no entanto, foi o francês ‘Sempre aos Domingos’, de Serge Bourguignon.

'O Quatrilho'

Glória Pires em cena do filme que concorreu ao Oscar em 1996 (Foto: Reprodução/IMDb)

Um dos símbolos da retomada do cinema nacional em meados dos anos 1990, o drama dirigido por Fábio Barreto, protagonizado por dois casais de imigrantes italianos, recolocou o Brasil entre os indicados ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro após 33 anos. Mas foi o holandês ‘A Excêntrica Família de Antônia’, de Marleen Gorris, quem venceu em 1996.

'O Que É Isso, Companheiro?'

Alan Arkin viveu o embaixador sequestrado em 'O Que É Isso, Companheiro?' (Foto: Reprodução/IMDb)

Em 1998 o Brasil emplacou outro indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, dirigido por Bruno Barreto, irmão de Fábio. A adaptação do livro homônimo de Fernando Gabeira sobre o sequestro do embaixador dos EUA por um grupo de revolucionários brasileiros bem que tentou, mas a Holanda levou o prêmio de novo, com ‘Caráter’, de Mike van Diem.

‘Central do Brasil'

Fernanda Montenegro e Vinícius de Oliveira em 'Central do Brasil' (Foto: Reprodução/IMDb)

A co-produção entre Brasil e França dirigida por Walter Salles foi indicada aos Oscar de Melhor Filme Estrangeiro e de Melhor Atriz, com Fernanda Montenegro. A estatueta de filme ficou com o italiano ‘A Vida é Bela’ - entregue pela italianíssima Sophia Loren. Já a o prêmio de atriz foi para Gwyneth Paltrow, por ‘Shakespeare Apaixonado’.