'Rei do bitcoin' deve R$ 507 milhões a 6.445 clientes

Claudio Oliveira, 'Rei do bitcoin'. Foto: Reprodução/YouTube/CriptoFácil

A consultoria EXM Partners, responsável pela recuperação judicial do Grupo Bitcoin Banco, divulgou um relatório sobre o atual estado das finanças da corretora, fundada pelo empresário Claudio Oliveira, que ficou famoso pelo apelido de “rei do bitcoin”.

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

INSTALE O APP DO YAHOO FINANÇAS (ANDROID / iOS)

Segundo o relatório divulgado pelo UOL, a empresa deve, ao todo, R$ 507 milhões a 6.445 credores. O documento foi entregue neste mês à 1ª Vara de Falências e Recuperação Judicial de Curitiba, onde corre o processo de recuperação judicial da empresa.

Leia também

O “rei do bitcoin” pediu recuperação judicial no final do ano passado dizendo ser “o único meio para permitir o reequilíbrio do negócio, a retomada das suas atividades e o consequente cumprimento de suas obrigações”.

A maioria dos credores investiram na plataforma e há meses não conseguem sacar seus recursos. Há também casos como o do escritório Nelson Wilians & Advogados Associados, que representava o Grupo Bitcoin Banco até o ano passado, mas deixou o caso e agora cobra R$ 1,8 milhão em dívidas.

Além disso, a EXM aponta no relatório divergências entre os dados contábeis informados oficialmente pela empresa e os números que a própria consultora apurou. O Grupo Bitcoin Banco afirmou que teve problemas com seus servidores na nuvem, administrados pela Amazon.

A Amazon, por sua vez, bloqueou o acesso da corretora aos servidores por falta de pagamento. O “rei do bitcoin” deve R$ 730 mil à norte-americana.

O Grupo Bitcoin diz que seus problemas começaram quando clientes se aproveitaram de uma falha no sistema para fazer saques duplos, deixando à empresa um prejuízo de R$ 50 milhões.