Regina Duarte quer demitir presidente da Funarte que ligou rock a satanismo

GUSTAVO FIORATTI
***ARQUIVO***BRASILIA, DF, 29.01.2019: A atriz Regina Duarte fala com jornalistas ao sair do palácio do planalto após encontro com o presidente Jair Bolsonaro. Ela afirmou que aceitou o cargo na Secretaria de Cultura. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma das primeiras medidas de Regina Duarte no comando da Secretaria Especial da Cultura será trocar a presidência da Funarte, órgão público de investimento direto na área cultural.

A atriz, que nesta quarta (29) aceitou entrar para o secretariado do governo Bolsonaro, já está sondando um outro quadro, Humberto Braga, que presidiu a mesma Fundação Nacional de Artes durante o governo Temer, em 2016. 

Com a medida, e se Braga disser 'sim', cai o músico Dante Mantovani, atual presidente da fundação, cuja nomeação por Roberto Alvim, o secretário demitido após associação com o nazismo, gerou polêmica.

Mantovani foi associado ao terraplanismo por ter participado de eventos em que o assunto foi tratado e também fez ligações entre o rock e o satanismo.

"O rock ativa a droga que ativa o sexo que ativa a indústria do aborto", disse ele. "E a indústria do aborto alimenta uma coisa muito mais pesada, que é o satanismo. O próprio John Lennon disse abertamente, mais de uma vez, que fez um pacto com o Satanás."

Se confirmada a intenção de chamar Braga, Regina dará seu primeiro recado 'pacificador'. Além de ter feito parte do time de Temer, Braga tem boa relação com a esquerda e com petistas.