Regina Duarte faz desabafo 15 dias após deixar cargo: 'O projeto com que sempre sonhei era inviável'

Regina Duarte em sua posse, no início de março

Regina Duarte decidiu fazer um desabafo em seu perfil no Instagram, com 2,4 milhões de seguidores, 15 dias depois de deixar o cargo de secretária de Cultura do gorverno do presidente Jair Bolsonaro. A atriz diz que aceitou,  o que ela chama de missão,  por amor ao país, mas se viu, segundo suas próprias palavras,  "enredada num universo muito mais preocupado com Ideologias do que com Cultura".

"E por falar em Cultura... ... aceitei assustada o convite para a Missão. Aceitei por amor ao meu País, por paixão irrefreável por Arte e Cultura, por confiança no governo Bolsonaro. Aceitei porque muita gente, muita gente mesmo, quando cruzava comigo, em qualquer lugar, com o olho brilhando de esperança, dizia: 'Aceita, Regina!' Minha inexperiência em gestão pública foi crucial para que eu descobrisse, até com certo atraso, que o Projeto de Cultura com que sempre sonhei era inviável, porque eu estava enredada num universo muito mais preocupado com Ideologias do que com Cultura.

As pressões cotidianas de gente que desconhece a máquina da administração pública foram companheiras constantes. Sempre me pareceu nítido que havia uma torcida nas mídias, nas redes sociais para que a minha gestão não se consolidasse. E sigo Secretária. Não me permito sair deixando incompletas lutas e conquistas para o Setor Cultural. Um exemplo? A Convocação pelo Ministério do Turismo, da reunião do Conselho Gestor da ANCINE para que o Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) seja liberado. Editais que darão novo fôlego à Cultura Brasileira serão novamente possíveis", escreveu Regina, acrescentando que trabalha na edição de um vídeo para mostrar o trabalho feito em dois meses como secretária:


"Trabalho ainda na edição de um vídeo com textos e imagens que falam do Projeto de Cultura que pude construir com minha Equipe. Não foi pouca coisa. Em breve vou ter a alegria de comunicar as ações que minha passagem pela Secretaria Especial da Cultura deixa como legado a quem me suceder".