Como as redes sociais ressignificam a quarentena e o tempo em casa

BANGKOK, THAILAND - January 08, 2017: Social media app icons on Iphone 7 screen smartphone with mobile internet network technology for people digital 4.0 lifestyle.

Por Cristiane Bomfim, da Agência Einstein

A tecnologia que prende as pessoas nas telas e as redes sociais que tantas vezes foram criticadas por reduzirem o convívio social podem ser a melhor saída para manter pessoas conectadas apesar do distanciamento físico, necessário para evitar a rápida propagação do vírus da Covid-19. É o que defende o psicólogo Jamil Zaki, da Universidade Stanford, nos Estados Unidos. “Por meio delas, permanecemos socialmente próximos mesmo estando fisicamente separados”, explica o psicólogo, diretor do Laboratório de Neurociências Sociais de Stanford. 

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Embora quarentena e isolamento sejam as expressões do momento – “fiquem em casa”, pedem médicos e autoridades de saúde, “respeitem o isolamento social”, reforçam os meios de comunicação –, as queixas mais comuns nestes dias de separação física são a saudade do abraço, da convivência, dos programas compartilhados, o tédio e a solidão. Recursos como FaceTime, chamadas por vídeo do WhatsApp, teleconferências informais e até simples ligações telefônicas são opções para amenizar as consequências do isolamento. “Devemos usar estas ferramentas para interações menos formais, para conversarmos, brincarmos. Estes momentos são vitais para um senso de conexão”, diz Zaki.

Leia também

Além da solidão e o tédio, pessoas em quarentena têm mais chances de apresentarem exaustão, desapego de outras pessoas, ansiedade, irritabilidade, insônia, indecisão e falta de concentração. É o que mostrou um estudo publicado no dia 26 de fevereiro na revista científica The Lancet. O trabalho é uma revisão de outras 24 pesquisas realizadas em dez países com indivíduos que passaram por quarentena durante as epidemias da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), Ebola, H1N1 e Síndrome Respiratória do Oriente Médio. 

“Este estudo valida as consequências da quarentena. Mas cada indivíduo reage a ela de uma forma. Pessoas com condições psíquicas mais frágeis estão mais sujeitas a se desorganizarem emocionalmente neste período de quarentena”, explica a psicóloga Christiane Hegedus Karam, do Hospital Israelita Albert Einstein. Também são mais suscetíveis pessoas de baixa renda, que nem sempre têm possibilidade de uma quarentena confortável do ponto de vista econômico e social. “É uma situação que gera estresse. Há preocupação com o desemprego, a falta de renda, com a permanência de muitas pessoas no mesmo ambiente e a tecnologia pode ajudar neste cenário no compartilhamento de sentimentos por meio das conversas”, continua. 

A especialista lembra que há outras formas de reduzir os impactos deste distanciamento da atividade profissional, dos amigos, da rotina. Uma delas é estabelecer metas curtas. “Não sabemos quando tudo voltará ao normal. O que sabemos é que agora temos de ficar em casa. Então, é importante ocupar o dia com tarefas que possam ser realizadas, contribuindo para experiências de conquistas”, conta. Cuidados com alimentação, o sono, a prática de atividades de descompressão – como meditação ou qualquer outra que relaxe – reduzem o estresse e a ansiedade. “Também é importante ressignificar a casa. Se pensarmos nela como um lugar de proteção, o ponto de referência pessoal, de aconchego e não como um ligar que aprisiona, talvez fique mais fácil passar por estes dias”, diz a psicóloga do Einstein. 

(Fonte: Agência Einstein)