Redes sociais estão arruinando a maneira como lembramos de nossas memórias, diz estudo

Reprodução/Pixabay PublicDomainPictures

Hoje em dia é praticamente impossível ficar fora das redes sociais. Seja um vídeo no Facebook ou um momento entre amigos no Instagram, as pessoas buscam sempre registrar sua rotina e segundo a ciência, isso está afetando a maneira como nos lembramos desses momentos.

Ao que tudo indica, mostrar nossa vida com filtros altera a forma como vemos eventos importantes. “Um novo estudo feito pelo safe.co.uk mostra como a memória é falha e o uso das redes sociais estão contribuindo para uma lembrança artificial”, diz o professor Conway, da Universidade de Londres.

“As pessoas tendem a sucumbir à pressão online e só se mostram em uma luz favorável nas redes e quando olham para as imagens feitas, elas constroem uma memória ‘feliz’ falsa do que a foto representa. Isso leva a falsas representações de si mesmo e as pessoas criam memórias para dar suporte ao que estão vendo nas fotos”, completa.

O estudo descobriu que indivíduos entre 25 e 34 anos são os que têm maior dificuldade em lembrar de memórias “reais” da infância. O professor Conway indica que mantenhamos “lembranças concretas” para manter nossa memória ativa.

“O que precisamos ter em mente é que para lembrar de tempos passados, temos que usar outros sinais e lembranças concretas, não apenas fotos online para armazenar nossa memória de forma mais eficaz”.