Ravers de Kiev escapam dos horrores da guerra através da música

Festa rave em Kiev

Por Max Hunder e Stefaniia Bern

KIEV (Reuters) - As festas raramente começam com um DJ chegando em uniforme militar, mas essa é a realidade da cena da música eletrônica da Ucrânia em meio à guerra.

Antes do início da invasão russa em 24 de fevereiro, a capital da Ucrânia, Kiev, estava rapidamente se tornando um dos principais destinos da vida noturna da Europa. Agora, seus jovens criativos estão começando a reconstruir um tecido cultural devastado pelo conflito.

O DJ uniformizado é Artur Bhangu, um estudante de oftalmologia de 25 anos que se juntou à força de defesa territorial de Kiev quando a guerra começou.

Ele disse à Reuters que está feliz por tocar música para arrecadar dinheiro para as Forças Armadas da Ucrânia. Parte da arrecadação do evento será doada a elas.

"Assim que a situação em Kiev ficou mais calma, imediatamente começamos a pensar em como ajudar nossos amigos usando música... para coletar doações e ajudar aqueles que estão no front", disse Bhangu antes de vestir roupas civis para sua atuação.

Uma multidão vibrante se reuniu para o evento da tarde de sábado no pátio ensolarado de uma fábrica abandonada, um dos muitos vastos e dilapidados espaços industriais da era soviética reaproveitados por artistas e músicos no distrito de Podil, em Kiev.

As coisas são complicadas pelo toque de recolher às 23h durante a guerra em Kiev, mas o organizador do evento, Garik Pledov, de 34 anos, disse que a mudança forçada para a luz do dia tem suas vantagens.

"Gosto ainda quando terminam durante o dia, porque as festas se tornaram mais sobre música, cultura e conversa do que quando eram realizadas à noite", disse ele à Reuters.

Em Kiev, a centenas de quilômetros das linhas de frente, as lembranças da guerra ainda não estão longe.

"Se houver uma sirene (de ataque aéreo), desligamos a música e vamos para o abrigo mais próximo", disse Pledov.

Ele organizou seu primeiro evento pós-invasão, uma exposição de arte, em maio, mas não fez "festas decentes" até meados de junho.

Para outros, o ritmo implacável da música eletrônica pode ser terapêutico.

"Se eu ficar em casa... minha agressividade e negatividade não terão para onde ir", disse Oleksandra Pshebitkovska, técnica de TI de 31 anos.

Como todas as comunidades da Ucrânia, a música eletrônica de Kiev já sentiu o devastador custo humano da guerra.

Pledov relembrou a experiência surreal de ser DJ no velório de um amigo que foi morto por estilhaços enquanto civis eram retirados sob fogo.

O promotor expressou esperança de que a crescente reputação da vida noturna de Kiev não seja permanentemente destruída pela guerra.

(Reportagem de Max Hunder e Stefaniia Bern)