Ratos estão infectando humanos com hepatite em Hong Kong

Em Hong Kong, ratos têm sido responsáveis por infectar humanos com hepatite E. Pesquisadores temem subnotificação (Foto: Getty Images)

Pesquisadores da Universidade de Hong Kong descobriram que pessoas estavam sendo infectadas por hepatite E, mas de uma forma diferente. Um homem teve até de passar por um transplanta de rim. No entanto, não foi possível encontrar traços humanos do vírus no sangue dele. O primeiro caso aconteceu em 2018.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Até então, sabia-se apenas de um tipo de hepatite E que circulava em humanos. Pesquisadores da universidade descobriram pela primeira vez hepatite E de ratos em humanos.

“De repente, temos um vírus que pode pular de ratos de rua para humanos”, disse Siddharth Sridhar, o microbiologista responsável pela descoberta, em entrevista à CNN.  A doença pode causar febre e um aumento do fígado.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Inicialmente, a equipe que pesquisava o caso pensava que era um caso isolado, mas, desde o primeiro estudo, mais de 10 moradores de Hong Kong testaram positivo para a hepatite E de ratos. Segundo a CNN norte-americana, o caso mais recente foi no dia 30 de abril.

O pesquisador ainda disse à emissora que é possível que milhões de pessoas estejam infectadas, mas não diagnosticadas.

Leia também

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, o tipo de hepatite E mais comum em humanos é transmitida por contaminação fecal na água bebida por pessoas. No entanto, em relação ao vírus transmitido por ratos, ninguém sabe exatamente como as pessoas estão pegando. Há algumas hipóteses, mas nenhuma delas foi confirmada. Sem saber essa informação, é difícil prevenir futuras infecções.

“O que sabemos é que ratos em Hong Kong carregam o vírus e testamos humanos e achamos o vírus. Mas como exatamente isso pula de um para outro, não sabemos. É a ponte que falta”, explicou Sridhar à CNN.