Rapper canta sobre homofobia em 'feat' com Hebe Camargo: "Ela foi resistência"

·3 minuto de leitura
Rene Fellix (Foto: Divulgação)
Rene Fellix (Foto: Divulgação)

Em sua estreia na música, Rene Fellix, paulista, de 25 anos, já alcançou o 2º lugar no iTunes Brasil na categoria de Hip-Hop. O single independente se chama “Ameaça” e retrata como é crescer sendo gay no Brasil, um dos países que mais mata pessoas LGBTQIA+ no mundo. A canção traz uma participação pra lá de especial: frases de Hebe Camargo, que morreu em 2012, em uma entrevista ao programa “Roda Viva”.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter

"Já ouvi diversas vezes pessoas mais velhas utilizarem a frase 'no meu tempo era assim' quando estão se referindo às pessoas lésbicas, gays e transsexuais. Então o intuito de colocar o sample da Hebe foi para mostrar para essas pessoas que idade não é uma desculpa para não nos respeitar, porque há anos já existiam pessoas públicas que falavam sobre o assunto. Isso não é nenhuma novidade", aponta o artista em conversa exclusiva com o Yahoo.

"Por que não defender? Eles são piores que a gente? Eles escolheram ser assim? São seres humanos iguais a gente. Eles têm pai, mãe, irmão. Trabalham. Pagam seus impostos", diz Hebe no trecho que está na música.

Leia também

Rene considera que a apresentadora foi uma pessoa muito 'plural' em vida. Ele ressalta que muitos gays não simpatizam com a história dela, mas destaca o poder de ‘resistência que Hebe teve: "Ela lutou bastante pelo o que queria, sempre sendo verdadeira no que acreditava e sem perder o sorriso e alegria que tinha. Isso é algo que eu sempre vou admirar em qualquer pessoa".

Raiva pela 'cura gay' inspirou a música:

Rene conta que escreveu "Ameaça" em seu quarto, num dia de fúria após ler notícias sobre a 'cura gay' na internet e perceber que muitos ainda acreditavam nela.

"Essa música foi a forma que eu encontrei de dizer para essas pessoas que isso não faz sentido e que não queremos nada além do que é nosso. Não precisam nos ver como ameaças, pois não somos. Só queremos poder viver nossas vidas e amar quem o nosso coração quiser. Sem preocupações, sem medo, podendo sair de casa e tendo a certeza que iremos conseguir voltar", explica o músico.

Para ele, o rap é um estilo musical que deveria abraçar todos os tipos de pessoas, porém, na realidade ainda não funciona assim: "É indiscutível que essas pessoas se incomodam com o fato de homens e mulheres gays estarem rimando sobre suas vivências. Há incômodo por não se identificarem com o que é cantado, por puro machismo ou homofobia."

O sucesso da canção no iTunes foi uma grata surpresa para Rene, que quer continuar levando seu trabalho em prol da luta LGBTQIA+: “Considero a minha música um grande sucesso por ter conseguido escrevê-la e ter encontrado pessoas que entenderam a minha mensagem. Ameaça foi forte e verdadeira sobre a vivência da nossa comunidade e isso pode abrir diversos pontos de discussão."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos