Rainha Elizabeth 2ª comemora 70 anos no trono em meio a, mais uma vez, crises familiares

Reinado da rainha Elizabeth 2ª completa 70 anos: qual o legado? (Foto: Reprodução/ Joe Giddens - by WPA Pool/Getty Images)
Reinado da rainha Elizabeth 2ª completa 70 anos: qual o legado? (Foto: Reprodução/ Joe Giddens - by WPA Pool/Getty Images)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Jubileu de Platina de Elizabeth 2ª, em que a rainha mais longeva do Reino Unido comemora 70 anos de reinado, terá até competição de pudim entre as comemorações, mas a sobremesa não deve ser suficiente para tirar o gosto agridoce da boca da senhora de 95 anos.

Coroada aos 25 anos, a jovem, que não esperava ser rainha, deu lugar sete décadas depois à matriarca de uma família que já conta três gerações depois dela. Seu longo reinado, que em 2015 ultrapassou em duração o da rainha Vitória (1837-1901), foi de poucas polêmicas envolvendo a própria Elizabeth, mas infindáveis escândalos protagonizados por seus muitos parentes e descendentes.

A Casa de Windsor entra em 2022 ainda não totalmente recuperada do golpe da saída de Harry e Meghan de suas responsabilidades reais, há pouco menos de um ano, e da explosiva entrevista dos dois à apresentadora Oprah Winfrey, na qual sugeriram que a americana foi alvo de racismo pela família real.

Ainda mais grave é a situação do príncipe Andrew (que, dizem, é o filho preferido de Elizabeth), suspeito de ter abusado de adolescentes traficadas pelo americano Jeffrey Epstein. Uma das vítimas, Virginia Giuffre, move um processo civil contra o príncipe nos Estados Unidos.

"O escândalo de Andrew é de longe o pior do reinado de Elizabeth. A rainha fez a coisa certa ao distanciá-lo da família real, ainda que isso deva ser muito difícil para ela pessoalmente", diz a historiadora Elizabeth Norton, que estuda as rainhas britânicas e é autora de "England's Queens: The Biography" (as rainhas da Inglaterra: a biografia; Amberley, 2011). Pessoalmente, a rainha também passou recentemente pelo trauma de perder seu marido, Philip, após 73 anos de casamento.

Os 70 anos do reinado de Elizabeth se completam neste domingo (6), mas a maioria das festividades será em junho, no verão no hemisfério Norte. Os britânicos terão um feriado de 2 a 5 de junho, dias que serão recheados de comemorações.

Reinado da rainha Elizabeth 2ª completa 70 anos: qual o legado? (Foto: Reprodução/ Joe Giddens - by WPA Pool/Getty Images)
Reinado da rainha Elizabeth 2ª completa 70 anos: qual o legado? (Foto: Reprodução/ Joe Giddens - by WPA Pool/Getty Images)

A tradicional parada Trooping the Colour, com 1.400 soldados, muitos cavalos e sobrevoos da Força Aérea, será em 2 de junho, uma quinta-feira, em Londres. A sexta-feira terá uma missa na catedral de Saint Paul, enquanto no sábado haverá uma corrida especial de cavalos e um show em frente ao Palácio de Buckingham, com artistas a serem anunciados.

O domingo será de almoços comemorativos comunitários pelo país, além de um desfile especial em Londres, combinando arte, música e um "rio" de bandeiras carregadas por crianças.

Antes disso, de 12 a 15 de maio, um show com 500 cavalos também homenageará a rainha, sabidamente apaixonada por atividades equestres, na arena usada para o Royal Windsor Horse Show.

Ao longo do ano, outros eventos relacionados ao Jubileu também acontecem, como uma campanha para o plantio de árvores pelo Reino Unido e eventos nas residências privadas da rainha, em Sandringham e Balmoral, na Escócia.

Talvez seja difícil, de fora do reino, entender a popularidade de Elizabeth e o apetite do público por tantas festividades em torno dela -afinal, um país desenvolvido e moderno ser uma monarquia em pleno 2022 pode parecer anacrônico.

A cisão geracional fica clara nas pesquisas: no ano passado, pela primeira vez mais jovens de 18 a 24 anos (41%) achavam que o chefe de Estado deveria ser eleito do que pensavam que a monarquia deveria continuar (31%). Nos outros grupos etários a monarquia ainda vence, com percentuais crescentes conforme a idade do entrevistado, até chegar a espantosos 81% de apoio ao sistema entre os maiores de 65 anos. Os números são de pesquisas da empresa YouGov.

A aprovação da própria Elizabeth é alta: 83% dos britânicos diziam ter opinião positiva sobre ela em novembro do ano passado. Mas sua sucessão cria um problema, já que seu herdeiro Charles e sua mulher, Camilla, têm apenas 60% e 45% de aprovação, respectivamente, números também da YouGov.

"A rainha será lembrada como uma das grandes monarcas do Reino Unido, ao lado de Vitória e Elizabeth 1ª. Ela mostrou muita força e trouxe estabilidade ao longo de muitos governos, em sua maioria com primeiros-ministros homens", diz Norton. "Já Charles deve ter um reinado breve e sem brilho, mas vai reinar até sua morte, não creio que nos tornaremos uma república."

A esperança reside no príncipe William, filho de Charles, e em sua mulher, Kate, que têm 80% e 77% de aprovação, respectivamente, além de três filhos fofos. William se beneficia da popularidade de sua mãe, a princesa Diana, morta em 1997, um episódio que também levou a uma crise para a família real quando Elizabeth demorou a demonstrar pesar pela tragédia.

Will e Kate sobreviveram com dignidade à saída de Harry e Meghan e continuam desempenhando suas responsabilidades reais com profissionalismo, ainda que sejam um pouco entediantes. Resta saber se a perfeição familiar dos Cambridge (William e Kate são duque e duquesa dessa localidade) será suficiente para fazer frente ao escândalo cada vez maior envolvendo o príncipe Andrew.

O investidor americano Jeffrey Epstein foi preso em 2019 acusado por várias mulheres de tráfico de pessoas e de abusos sexuais, que teriam acontecido quando elas eram adolescentes. Uma das vítimas, Virginia Giuffre, diz ter recebido dinheiro de Epstein para fazer sexo com Andrew quando ela tinha 17 anos.

Em meio a críticas crescentes por sua ligação com Epstein, que se suicidou em agosto de 2019, Andrew deu uma desastrosa entrevista à BBC em novembro do mesmo ano, em que negava as acusações de Giuffre, a quem disse não conhecer apesar de existir uma foto dos dois juntos, e dizia não se arrepender da amizade com o americano.

Giuffre move um processo civil contra o príncipe nos EUA, em que pede uma indenização pela violência que diz ter sofrido. A defesa de Andrew -paga pela rainha- afirmou que o testemunho dela era "vago" e que a lei em que a acusação se baseou era inconstitucional, entre outros argumentos pelo arquivamento da ação, que o juiz não aceitou.

Um dia depois da decisão desfavorável, Andrew, que já não participava de eventos públicos desde 2019, perdeu o título de Sua Alteza Real, suas patentes militares e seus postos em organizações de caridade. A depender do curso do processo, ele pode ter que responder a perguntas por escrito e até mesmo depor presencialmente em Nova York ainda neste ano. Resta a opção de fazer um acordo com Giuffre, o que poderia enterrar de vez a reputação do príncipe.

Qualquer que seja o resultado da ação, desenha-se um cenário em que Andrew será responsável por tisnar o ano de platina de sua mãe, nódoa que nem todo o pudim e todos os cavalos da rainha poderão apagar.

A vida de Elizabeth 2ª

1926

Nasce em Londres, no dia 21 de abril, Elizabeth Alexandra Mary, a filha mais velha de lady Elizabeth Bowes-Lyon e do príncipe Albert, duque de York, filho mais novo do rei George 5º

1936

Edward 8º, tio de Elizabeth, abdica em nome de seu irmão mais novo, príncipe Albert, o que muda as chances de a futura rainha ascender ao trono

1937

Elizabeth e a irmã mais nova, Margaret, assistiram, na Abadia de Westminster, à coroação de seu pai, chamado de rei George 6º; assim, Elizabeth tornou-se a primeira na linha de sucessão ao trono e uma figura de interesse público

1947

No dia 20 de novembro é celebrado, na Abadia de Westminster, o casamento de Elizabeth com seu primo distante, Philip Mountbatten, que recebeu o título de duque de Edimburgo

1948

Nasce o primeiro filho da futura rainha, Charles Philip Arthur George, no Palácio de Buckingham

1951

Com a saúde do rei George 6º debilitada, a princesa Elizabeth passou a representá-lo em eventos oficiais

1952

Em 6 de fevereiro, morre o rei George 6º, e Elizabeth se torna rainha

1953

No dia 2 de junho acontece na Abadia de Westminster a coroação de Elizabeth, que então se torna a rainha Elizabeth 2ª

1958

Charles, primogênito de Elizabeth, torna-se o herdeiro do trono e é nomeado príncipe de Gales; os outros filhos da rainha são a princesa Anne (Anne Elizabeth Alice Louise), nascida em 1950; o príncipe Andrew (Andrew Albert Christian Edward), nascido em 1960; e o príncipe Edward (Edward Anthony Richard Louis), nascido em 1964

1981

Herdeiro do trono, o príncipe Charles casa-se com Diana Frances Spencer, em cerimônia na Catedral de St. Paul, em Londres

1982

Nasce William, neto de Elizabeth que é atualmente o segundo na linha de sucessão ao trono, fruto do casamento de Charles e Diana; seu irmão, Harry, nasce em 1984

1992

Depois de um casamento tumultuado, com rumores sobre casos extraconjugais, a separação do príncipe Charles e de Lady Di é anunciada; o divórcio é concluído em 1996

1997

Lady Di morre em um acidente de carro, o que faz aumentar as críticas em relação à família real, especialmente depois de Elizabeth 2ª inicialmente se recusar a permitir que a bandeira nacional fosse hasteada a meio mastro no Palácio de Buckingham

2002

No ano em que celebra o Jubileu de Ouro ao completar 50 anos no trono, a rainha perde a mãe, Elizabeth, e a irmã mais nova, Margaret, mortes que ofuscaram as festividades de vários dias em Londres e em países da Commonwealth

2011

Seu neto William, segundo na linha de sucessão, casa-se com Katherine Middleton; a rainha também fez história a ser a primeira no cargo a visitar a Irlanda em cem anos

2015

Em setembro, Elizabeth 2ª ultrapassa a rainha Vitória como monarca mais longevo do Reino Unido

2018

Filho mais novo de Charles, Harry se casa com a atriz americana Meghan Markle, de ascendência negra

2020

Em cisão sem precedentes no reinado de Elizabeth 2ª, Harry e Meghan decidem deixar a família real após gerarem crise por não terem passado o Natal de 2019 no Reino Unido

2021

Marido da rainha Elizabeth 2ª, o príncipe Philip morre aos 99 anos