Rafa Kalimann saiu de casa aos 14 anos para ser modelo: "Sempre batalhei muito"

Redação Vida e Estilo
·2 minuto de leitura
Rafa Kalimann. Foto: reprodução/Instagram/rafakalimann
Rafa Kalimann. Foto: reprodução/Instagram/rafakalimann

Os ensinamentos de Rafa Kalimann durante o “BBB20” são furtos de de muita terapia e das experiências vividas ao longo de seus 27 anos. É o que garante a influenciadora, que lembrou os perrengues do início da carreira, ainda na adolescência.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentários

“Sempre batalhei muito por cada conquista e saí de casa muito cedo, aos 14 anos, para trabalhar como modelo em São Paulo. Apesar do suporte da agência, fui morar em uma república com outras meninas. Somente eu podia ser responsável pelas minhas atitudes e escolhas”, contou ao GShow a ex-sister, natural de Campina Verde (MG).

Leia também:

Entre as dificuldades da época, Rafa diz que houve ocasiões de o dinheiro ser contado para as passagens para conseguir trabalho e um pacote de macarrão instantâneo, dividido entre o almoço e o jantar.

“Tudo que eu já vivi me fez aprender e a valorizar cada conquista. Sou muito grata por cada desafio, erro e acerto. O meu maior aprendizado foi através das minhas experiências. Fiz terapia por muitos anos e isso me ajudou muito. Mas também sou formada em coaching há dois anos e faço cursos de inteligência emocional e programas de neurolinguística há mais de quatro anos. São assuntos que me interessam”, disse.

A influenciadora comentou ainda sua forte posição contra o machismo no reality, também atravessada por uma vivência pessoal. “Já fui vítima de uma relação abusiva no passado e sei o quanto é difícil enxergar e falar dessa dor. Nunca houve agressão física, mas verbal sim. Pequenos nuances machistas estão tão enraizados na nossa cultura que infelizmente às vezes deixamos passar”.

Os planos pós-“BBB”, que lhe rendeu R$ 150 mil e o quádruplo de seguidores nas redes sociais, incluem concluir a faculdade de Psicologia, trancada depois de um ano, e escrever um livro motivacional. “Quero voltar a estudar e me formar. Minha ideia no futuro é poder trabalhar nessa área. Inclusive já gostava de acompanhar o BBB para entender o comportamento das pessoas e estou muito realizada de participar dessa experiência”, afirmou.

Seu objetivo de realizar trabalhos humanitários na África segue firme, mesmo sem o prêmio milionário. “Vou continuar trabalhando para realizar o meu sonho que é construir uma comunidade em Moçambique para 400 pessoas morarem, com água potável, educação e saneamento básico”, adiantou.