R. Kelly tem julgamento por abuso sexual adiado pela terceira vez

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Acusado de abuso sexual, o cantor R. Kelly, 47, terá de esperar até setembro de 2021 para ter seu caso julgado. Esta é a terceira vez que há adiamento do caso. Anteriormente, era para ter acontecido em abril e em outubro de 2020. O adiamento se dá por causa da pandemia do novo coronavírus. O cantor está preso desde julho de 2019. Ele se declara inocente das acusações de gravar ato sexual com menores de idade e de ter pago pelo silêncio das testemunhas. Em abril, uma juíza federal de Nova York negou o pedido de liberdade do cantor. O artista, acusado de abuso sexual, estava preocupado com a crise do coronavírus. "O réu está atualmente sob custódia pelo risco de tentativa de fuga, obstrução, ameaça ou intimidação das testemunhas", escreveu a juíza Ann Donnelly, do Brooklyn, em sua negação. "O réu não explicou como esses riscos mudaram", concluiu ela. Conhecido por sucessos como "I Believe I Can Fly" e "Bump N 'Grind", Kelly enfrenta acusações de abuso sexual que remontam há mais de duas décadas, incluindo relatos de acusações no documentário da Lifetime de janeiro de 2019 "Surviving R Kelly". No documentário de seis horas, várias mulheres acusam o cantor de ter tido relações sexuais com três adolescentes de menos de 16 anos quando ele já era maior de idade.