Rússia abandona bastião ucraniano; aliado de Putin sugere resposta nuclear

FOTO DE ARQUIVO: Soldado ucraniano olha de um tanque, em meio à invasão russa da Ucrânia, na cidade de Lyman, região de Donetsk, na linha de frente

Por Tom Balmforth e Pavel Polityuk

(Reuters) - A Rússia disse neste sábado que suas tropas abandonaram seu bastião de Lyman, no leste da Ucrânia, por temer um cerco, enquanto o líder da Chechênia, um aliado próximo do Kremlin, disse que Moscou deveria considerar o uso de arma nuclear de baixo rendimento em resposta.

A perda da cidade é um grande retrocesso para Moscou depois que o presidente russo, Vladimir Putin, proclamou a anexação da região de Donetsk, junto com outras três regiões, em uma cerimônia na sexta-feira que foi condenada por Kiev e pelo Ocidente como uma farsa.

"As forças aliadas foram retiradas do assentamento de ... Lyman para linhas mais vantajosas por causa da criação de uma ameaça de cerco", disse o Ministério da Defesa da Rússia.

A declaração pôs fim a horas de silêncio por parte de Moscou após Kiev dizer pela primeira vez que havia cercado milhares de soldados russos na área e, mais tarde, que suas forças estavam dentro da cidade de Lyman.

Ramzan Kadyrov, o líder da Chechênia que se descreve como soldado de Putin, disse não conseguir ficar em silêncio depois que Moscou abandonou o território, o qual o Kremlin havia proclamado como parte da Rússia apenas um dia antes.

"Na minha opinião pessoal, medidas mais drásticas deveriam ser tomadas, até a declaração da lei marcial nas áreas de fronteira e o uso de armas nucleares de baixo rendimento", escreveu Kadyrov no Telegram, em publicação na qual ridicularizava um general russo.

A declaração do Ministério da Defesa russo não fez menção ao cerco de suas tropas.

"O agrupamento russo na área de Lyman está cercado", disse o porta-voz das forças do leste da Ucrânia, Serhii Cherevatyi, horas antes.

Ele disse que a Rússia tinha de 5.000 a 5.500 soldados em Lyman, mas o número de tropas cercadas poderia ser menor devido às baixas.

"Já estamos em Lyman, mas há batalhas", disse o porta-voz na televisão.

Dois soldados ucranianos colaram a bandeira nacional amarela e azul na placa de boas-vindas na entrada da cidade, no norte da região de Donetsk, mostrou um vídeo publicado pelo chefe de gabinete do presidente.

"1º de outubro. Estamos desenrolando nossa bandeira estadual e fincando-a em nossa terra. Lyman será a Ucrânia", disse um dos soldados, sob o capô de um veículo militar.

Nenhum dos lados no campo de batalha pôde ser verificado independentemente.

(Reportagem adicional de Jonathan Landay, Felix Light, Mark Trevelyan)