Quatro vezes que Samara Felippo defendeu envelhecimento natural da mulher

Recentemente, Samara Felippo falou como manter seus cabelos brancos se tornou um ato político em liberdade as mulheres. Aos 44 anos, a atriz deixou de tingir os fios e decidiu apoiar outras mulheres a fazerem o mesmo.

"Essa é outra bandeira que eu levanto: o do envelhecimento feminino. Meus cabelos brancos são uma rebeldia. As pessoas me veem e dizem: 'é aquela menina da 'Malhação'? Como envelheceu! Sim, eu envelheci, não morri. Todo mundo envelhece!", disse ela em um bate-papo no "De Lado Com Fefito".

À frente de uma das festas mais badaladas do momento, a Apocalipse Tropical, em São Paulo, Samara sempre se veste na temática com figurinos ousados. No entanto, a atriz revela que recebe muitas críticas por mostrar o corpo, sendo julgada como um exemplo negativo para as filhas, Lara, de 9 anos, e Alicia, de 13, filhas de seu relacionamento com Leandrinho, jogador da NBA. O casal se separou em 2013.

"Por que eu não posso mais fazer o que quero depois dos 40? Por que não posso usar uma saia curta? Por que não posso deixar meu cabelo branco?", perguntou. Eu recebo muitas críticas, principalmente de mulheres, o que eu acho uma loucura. Me perguntam: 'O que suas filhas vão pensar?' 'Você não tem vergonha?' Tenho não, linda", respondeu.

Libertação

Desde o início de 2021, quando Samara assumiu os fios brancos pela primeira vez, a atriz fala sobre a libertação de deixar seu visual mais natural. Na época, ela contou que pintava o cabelo desde os 20 anos.

"Estou em uma fase radical que quero olhar mais para mim e me libertar dos padrões impostos, e quero ajudar outras mulheres também levantando a bandeira do esclarecimento, da autoestima e da libertação. Sempre tive fios brancos e pintei, mas fui inspirada por outras mulheres que assumiram e cá estou", afirma.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

"Mãe pode ser e estar, onde e como quiser!"

Foi com essa frase que Samara mostrou um dos seus looks ousados escolhidos para a festa Apocalipse Tropical. Ao som de Glória Groove, ela mostrou sua transformação. "Eu fiz uma festa só pra encontrar com essa Samara sempre. Feliz, livre e gostosa! Sei bem quem é essa 'menina' de vermelho do vídeo. Partiu", disse ela.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Tudo ANTI você envelhecer

Logo após participar do "Faustão na Band", Samara falou sobre a pressão que sentiu ao se imaginar aparecendo na TV com as mechas brancas naturais de seus cabelos.

"Eu me olho hoje e vejo uma mulher livre, divertida, linda, madura, relativamente segura, pelo menos isso que eu tento me ensinar todos os dias. Por que a sociedade insiste em rotular, rejuvenescer mulheres o tempo todo? Cremes 'anti-rugas', 'ANTI- age'. É tudo ANTI você envelhecer. ANTI sua liberdade, ANTI seu corpo, ANTI suas marcas. Não tenho NADA contra autocuidado, bem estar do nosso corpo, mas é tudo ANTI sermos nós, mulheres principalmente pós os 40", começou.

"Antes de ir no Faustão eu pensei inúmeras vezes em pintar o cabelo, por que?? Ainda. Por que? Escrevo, milito, luto, me curo e ainda assim, penso e repenso em aparecer em rede nacional como uma mulher no auge dos seus 44 anos com os cabelos brancos", completou.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Luta antirracista

Além das bandeiras femininas, Samara defende a luta antirracista a fim de transformar o país em um lugar acolhedor e sem diferenças para as suas filhas e toda a população negra.

"Sou de uma geração impregnada por novelas, filmes, programas, pelas paquitas. Engravidei da Alícia primeiro e vivia muito na minha bolha branca, romantizada, vivi uns anos, furá-la foi muito difícil, requer informação, mente, consciência e acho que isso veio aos poucos. A gente cresce tão racista, quando fui [ter a Alícia], foi cesária, uma amiga minha me disse que eu saí meio sedada falando 'e o cabelinho dela, como é?'. Aonde vai nosso subconsciente que está entranhado na gente e isso me tocou muito: 'quão racista eu era, saindo de uma sala de cirurgia, preocupada em como seria o cabelo da minha filha, isso diz muito sobre como eu fui criada", contou no programa "Sexta Black", no GNT, apresentado por Luana Genót.

"A Alícia já tinha vindo da escola falando que o amiguinho disse que o cabelo era feio, foi chegando para mim e eu fui me questionando. Criei o canal "Muito além de Cachos", foi a minha iniciativa para tentar mudar, porque lá a gente brinca e aprende a cuidar dos cabelos", completou.