Quase 80% dos brasileiros tomaram remédio sem eficácia para COVID-19

Apesar de ser ineficaz para o tratamento da COVID-19 e ser contraindicada pelas autoridades sanitárias, a Ivermectina foi usada por 79,5% dos brasileiros ao serem infectados pelo coronavírus. A informação é de um levantamento produzido pelo Instituto Global de Saúde de Barcelona (ISGlobal), que analisou dados de 23 países, incluindo o Brasil, representando mais de 60% da população mundial.

O estudo foi publicado na revista científica Nature e mostra que, em todo o mundo, 27% das pessoas disseram ter tomado Ivermectina ao sentirem os primeiros sintomas de COVID-19. No entanto, as autoridades sanitárias de todo o mundo, incluindo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), não recomendam o uso do remédio para o tratamento da doença, já que diversos estudos já comprovaram que ele é ineficaz para COVID-19.

Para o trabalho, foram entrevistadas mil pessoas de cada um dos países participantes. Foram eles: África do Sul, Alemanha, Brasil, Canadá, Cingapura, China, Coreia do Sul, Equador, Espanha, Estados Unidos, França, Gana, Índia, Itália, Quênia, México, Nigéria, Peru, Polônia, Rússia, Suécia, Turquia e Reino Unido.

Os entrevistados tiveram que responder um formulário formado por 30 questões, que foi desenvolvido por um painel de especialistas. As perguntas eram relacionadas ao recebimento de uma dose de reforço da vacina da COVID-19 ou sobre a vontade de tomar o reforço quando estivesse disponível e se houve uso de medicamentos para tratar a doença, por exemplo.

...

Veja mais


Veja também

COVID-19: Anvisa libera a aplicação da 3ª dose de vacina em crianças e adolescentes
Aumento de casos de COVID faz SP retomar obrigatoriedade de máscaras no transporte público
Vacinas contra infecções virais reduzem risco de doenças cardíacas
COVID-19: vacinação deixa de ser obrigatória em cruzeiros
O que garante a segurança de uma nova vacina?