Quase 20 anos depois, Justin Timberlake pede desculpas a Britney Spears

·2 minuto de leitura
Britney Spears e Justin Timberlake em Filadélfia em 10 de fevereiro de 2002

O cantor americano Justin Timberlake pediu desculpas a Britney Spears nesta sexta-feira (12) quase 20 anos após o fim do namoro dos dois, após um documentário o acusar de ter manipulado o ocorrido para ganhar a simpatia do público.

No documentário "Framing Britney Spears", produzido pelo New York Times e transmitido pelo canal a cabo FX e a plataforma Hulu, várias testemunhas afirmam que Timberlake usou seu rompimento com Spears em 2002 para lançar sua carreira solo.

Eles afirmam que Timberlake permitiu que vários veículos acusassem Spears de traí-lo e, em seguida, rompeu brutalmente o relacionamento, sem fazer declarações públicas sobre o assunto. Os entrevistados lembram que ele apresentou o single "Cry Me a River" como diretamente ligado ao seu término, após quatro anos de namoro (1998-2002).

A música fala de um homem traído por sua ex-companheira e o videoclipe mostra uma mulher que se parece com Britney Spears, embora seu rosto não seja visível.

Em um post no Instagram, Timberlake, de 40 anos, pediu desculpas a Britney Spears e Janet Jackson nesta sexta-feira.

Quando fazia um dueto com a irmã de Michael Jackson durante o Super Bowl de 2004, ao vivo, o ex-integrante da banda NSYNC rasgou um pedaço de sua roupa, deixando um dos seios da cantora à mostra, fato que chocou o país.

O ocorrido afetou a carreira de Janet Jackson por muito tempo, muito mais do que a de Timberlake.

"Eu me importo com essas duas mulheres, eu as respeito e sei que falhei", escreveu o músico nascido em Memphis.

“Lamento profundamente os momentos da minha vida em que minhas ações contribuíram para o problema, quando monopolizei a palavra ou não defendi o que era certo”, acrescentou Timberlake, atualmente casado com a atriz Jessica Biel.

“Sei que deixei a desejar nesses momentos, como em muitos outros, e que me beneficiei de um sistema que perdoa a misoginia e o racismo.”

tu/lbc/ll/ic