Quando incorporar papinhas e frutas à alimentação do bebê

O bebê precisa sentir a textura da comida (Getty Images)

Um hábito alimentar correto começa ainda no berço. Isso mesmo, para garantir que seu filho cresça coradinho, saudável e com o peso adequado, é importante respeitar as fases da alimentação no primeiro ano de vida. Nesta etapa cheia de descobertas – também para os pais de primeira viagem –, saber o que incorporar na dieta do bebê pode fazer toda diferença no futuro.

Até os sexto mês de vida, o ideal é que a criança se alimente apenas com leite materno, indica o pediatra Ronaldo Correia, 32 anos. Caso a mãe não possa amamentar ou tenha pouco leite, deve ser dada uma fórmula específica para favorecer as defesas imunológicas. Segundo o especialista, o uso do leite de vaca in natura é contra indicado pela OMS (Organização Mundial da Saúde). Isso porque há excesso de proteína e sódio.

Pai de Akram Laila Correia, de apenas dois meses, o médico esclarece a importância de introduzir alimentos gradualmente à rotina do bebê. Apesar de ainda não passar por esta fase em casa, o pediatra tem na ponta de língua a dieta adequada. “Geralmente se inicia com suco de fruta, pela manhã. Quando a criança estiver com o paladar adaptado, pode-se dar também papa de fruta (fruta raspada) em outro período do dia".

Como as papinhas salgadas são uma novidade muito grande, o especialista sugere que elas sejam administradas após o suco da fruta. “As papas salgadas devem ser iniciadas no horário do almoço e no jantar. Podem ser de cereais e legumes em geral (arroz, mandioca, cará, soja, ervilha ou batata) e carne”, orienta.

Sucos, frutas e as papas devem ser ofertadas inicialmente em pequenas quantidades, e sem muita mistura, para que os pequenos acostumem o paladar, ressalta Ronaldo. “É normal que a criança estranhe e rejeite os alimentos no início, mas é preciso ser insistente, com o tempo ela se adapta".

Como preparar a comidinha do bebê
Apesar do medo natural de a criança engasgar, é importante que os pais entendam: o bebê precisa sentir a textura da comida. Portanto, nada de liquidificador. Inicialmente, as papas devem ser pastosas. Isso significa que as mamães têm o trabalho de ralar, peneirar e amassar os legumes ou grãos com um garfo. “Para que a criança se adapte com a mastigação”, observa o médico.

O especialista afirma ainda que, a cada mês, deve-se amassar menos os alimentos. “Por volta de um ano de idade, a criança deve estar comendo a mesma comida da casa, sem estar amassada”, destaca, ao mensurar a importância de manter o aleitamento ainda nesta fase. “O leite ainda é o principal constituinte da dieta de um bebê.”

Riscos de uma alimentação incorreta na infância
A falta de uma alimentação adequada compromete o desenvolvimento e deixa as pessoas mais suscetíveis a doenças. “Está bem estabelecido cientificamente que o erro alimentar no primeiro ano de vida pode fazer a crianças sofrer de infecções, colesterol alto, distúrbios de crescimento e desenvolvimento, além de hipertensão”, destaca o médico.

Mãe do pequeno Akram e esposa de Ronaldo, a web designer Amira Laila, 33 anos, segue à risca a determinação do marido. O fato de não poder amamentar o filho, por conta de uma cirurgia bariátrica a qual se submeteu, não foi problema. No cardápio, apenas a fórmula para crianças.

Garantir a saúde do seu pequeno é palavra de ordem para Amira, que discorda totalmente da afirmação dos mais velhos, quando argumentam que apenas leite não alimenta. “De jeito nenhum! O Akram está só no leite e crescendo muito bem, está bem forte".

Pai e especialista na área, Ronaldo orienta na alimentação do filho, mas não é radical, garante a esposa. “A gente sempre conversa sobre o que fazer. Apesar de ser pediatra, ele é bem flexível.” Uma flexibilidade que está dentro do permitido para que o bebê cresça bem. “Já está com quase sete quilos, meu gordinho”, conta a mãe coruja, cheia de orgulho, ao comentar que seu pequeno “é a melhor coisa que já fez na vida”.