Qual a doença da filha de Juliano e Letícia Cazarré? Guilhermina está há 5 meses na UTI

Juliano Cazarré no ‘Conversa com Bial’. (Foto: Globo/Divulgação)
Juliano Cazarré no ‘Conversa com Bial’. (Foto: Globo/Divulgação)

Juliano Cazarré, que interpretou Alcides em "Pantanal", chegou a ser liberado das gravações da novela na época para acompanhar o tratamento da filha recém-nascida, Maria Guilhermina, em meados de junho. Desde então, a criança vem lutando contra a Anomalia de Ebstein, uma cardiopatia congênita rara.

Assim que receberam o diagnóstico, o ator escreveu:

“Maria Guilhermina chegou com um coração especial. Nos exames pré-natais, descobrimos que ela teria uma cardiopatia congênita rara. Ao longo da gestação, os médicos perceberam que o caso dela seria um dos mais raros e graves dentro da anomalia”.

O que é a condição?

Conforme O Globo, a anomalia de Ebstein é uma cardiopatia rara da válvula tricúspide, a responsável por separar o átrio direito do ventrículo direito do coração. Essa estrutura é considerada a "porta de entrada" do coração, pois permite que o sangue venoso (que já oxigenou o organismo) retorne ao coração. O sangue entra pelo átrio direito, passa pela válvula tricúspide, vai para o ventrículo direito, onde é bombeado para o coração para ser oxigenado novamente.

Na anomalia de Ebstein, a válvula tricúspide fica abaixo do normal, já "dentro" do ventrículo direito. Isso faz com que uma porção do ventrículo se torne parte do átrio, fazendo com que o átrio direito aumente de tamanho e não funcione adequadamente. Além disso, as estruturas da válvula tricúspide têm formato anormal, o que pode levar ao refluxo de sangue para o átrio.

Qual a causa?

A anomalia de Ebstein também pode levar ao aumento do coração e insuficiência cardíaca. Além disso, pessoas com essa anomalia não tratada podem sofrer com arritmia cardíaca.

Não há uma causa definida para o problema. Os médicos não têm certeza de quais fatores de risco estão associados ao defeito. Acredita-se que fatores genéticos e ambientais desempenhem um papel. Uma história familiar de defeitos cardíacos ou o uso de certos medicamentos pela mãe, como o lítio, durante a gravidez podem aumentar o risco de anomalia de Ebstein na criança.

Problemas cardíacos como a anomalia de Ebstein podem ser percebidos durante o pré-natal, na ultrassonografia morfológica. Quando há suspeita da doença, a gestante é orientada a realizar um ecocardiograma fetal para diagnosticar a doença.

O tratamento é cirúrgico e, normalmente, definitivo. Na operação a válvula pode ser trocada ou restaurada. As informações também são do O Globo.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Sintomas

De acordo com o site especializado Emergency Live, do Grupo San Donato, dependendo da gravidade, os pacientes que sofrem de anomalia de Ebstein podem sofrer de:

  • arritmias cardíacas, devido à presença de vias de condução anormais;

  • sintomas de insuficiência cardíaca congestiva direita: fígado aumentado, fadiga, átrio direito dilatado;

  • cianose: uma vez que está frequentemente associada a um defeito interatrial, a pressão mais elevada devido à insuficiência tricúspide faz com que o sangue pobre em oxigênio flua do lado direito para o esquerdo do coração.

Última atualização

Letícia Cazarré, esposa de Juliano, voltou a atualizar o estado de saúde de Maria Guilhermina, afirmando que ela apresenta um quadro estável. Além disso, ela diz que a filha já acordou e que seus exames começaram a ter resultados melhores.

"Ela está estável e já começou a acordar. Os exames vieram bons, vamos continuar pedindo! Que Deus aceite as preces de todos vocês, muito obrigada", escreveu Letícia, ao agradecer as orações que a filha tem recebido.

Na terça-feira, a jornalista relatou que a criança havia piorado muito e pediu que aos seus seguidores, familiares e amigos por orações.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Relembre

Maria Guilhermina nasceu em junho com anomalia de Ebstein, uma doença rara que afeta o coração. A menina já passou por diversas cirurgias e desde então, permanece internada na UTI do hospital em São Paulo.

"Quem puder, reze pela Maria Guilhermina. Ela piorou bastante, provavelmente está com uma infecção grave. Estamos fazendo tudo para que ela se recupere logo. Contamos com as orações de todos vocês, meus amigos", contou ela na rede social.

Letícia e Juliano Cazarré também são pais de Vicente, de 12 anos, Inácio, 9, Gaspar, de 3, e Maria Madalena, de 1 e 9 meses, que estão no Rio de Janeiro sob cuidados do pai, enquanto a mãe segue em São Paulo.