Quais países cuidaram bem da covid, Bolsonaro? Aqui temos 6 exemplos

Anita Efraim
·5 minuto de leitura
Brazilian President Jair Bolsonaro coughs during the sanction of the law that authorizes states, municipalities and the private sector to buy vaccines against COVID-19, at the Planalto Palace in Brasilia, on March 10, 2021. - Until now, with more than 260,000 deaths by the coronavirus, only the federal Government was authorized to buy vaccines. (Photo by EVARISTO SA / AFP) (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Presidente Jair Bolsonaro afirmou que "tem gente morrendo em todo lugar" (Foto: Evaristo Sá/AFP via Getty Images)
  • Presidente Jair Bolsonaro questionou se algum país está tratando bem a pandemia de covid-19

  • Nova Zelândia e Austrália usaram medidas rigorosas para frear avanço de casos

  • Israel e Estados Unidos investiram na ampla vacinação e veem casos caírem

Nesta quinta-feira (18), para tentar justificar a situação vivida no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que todos os países trataram mal a pandemia de coronavírus.

“Qual país do mundo que está tratando bem a questão da covid? Aponte um. Em todo local está morrendo gente. Agora, aqui, virou uma guerra contra o presidente. Um dos raros países onde querem derrubar o presidente é aqui. Eles não apresentam soluções. Quando eu digo, né: Me apresente um país onde está dando certo o combate à covid. Não tem, tá. Esses caras que querem me derrubar, o que vocês fariam no meu lugar? 'Ah, comprar vacina'. Onde é que tem vacina para vender? Onde tem vacina para vender?”

Leia também:

Em todo o mundo, mais de 2,6 milhões de pessoas morreram em decorrência da covid-19 e 121 milhões foram infectadas pelo vírus. Todo o mundo sofreu as consequências do coronavírus, mas não é verdade que todos tenham lidado mal com a crise.

De diferentes maneiras, apesar das dificuldades, liderem mundiais têm trabalhado para que a covid-19 atinja o mínimo possível a população. Alguns apostaram no confinamento, outros na vacinação massiva. O Brasil, até o momento, não seguiu nenhum desses caminhos.

Alguns exemplos são:

  • Nova Zelândia

  • Austrália

  • Israel

  • Estados Unidos

  • Chile

  • Wuhan, na China, o primeiro epicentro da doença

Confinamento e retomada da vida

Nova Zelândia

Na Nova Zelândia, 26 pessoas morreram em decorrência da covid-19. Desde o início da pandemia, a primeira-ministra, Jacinda Ardern, foi rigorosa com as medidas de isolamento social no país. No total, 2,6 mil pessoas se contaminaram, entre os 4,8 milhões de habitantes.

Em fevereiro, a capital do país, Auckland, detectou entrou em lockdown após três casos serem detectados na cidade. Dias depois, quando as pessoas testaram negativo, a capital pôde sair do regime de confinamento.

A medida foi recorrente no país. Quando um novo caso na Nova Zelândia era detectado, autoridades agiram rapidamente para evitar a propagação do vírus.

Austrália

A Austrália seguiu a mesma linha de atuação da Nova Zelândia, com medidas duras de isolamento. Os resultados foram bons: entre os 25 milhões de habitantes, menos de 30 mil foram infectados pelo coronavírus e cerca de 900 pessoas morreram em decorrência da covid-19.

Em fevereiro, a cidade de Melbourne entrou em lockdown quando foram detectados 25 casos de coronavírus. Todas as pessoas estavam em quarentena em um hotel e haviam chegado de fora da cidade. Após todas se recuperarem, a cidade liberou a volta da circulação de pessoas.

Ampla vacinação

Israel

Em Israel, a vacinação em massa com o imunizante da Pfizer tem permitido ao país retomar a vida como era antes – ou pelo menos algo parecido. É verdade que o país foi afetado de forma grave pelo covid-19: com 9,25 milhões de pessoas, 6 mil morreram em decorrência da covid e 825 mil foram infectadas.

Mas, com 5,1 milhões de pessoas vacinadas com pelo menos uma dose, equivalente a 56% da população, o país vê o número de casos cair e a economia reabrir. Em janeiro, Israel teve mais de 10 mil contágios em 24 horas. Em 17 de março, o número estava em 1,6 mil. Bares e restaurantes já voltaram a funcionar.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, promete que o país será o primeiro a estar livre do coronavírus.

Estados Unidos

Com Donald Trump no poder durante grande parte da pandemia, os Estados Unidos lideraram durante muito tempo o ranking de países com maior número de mortes diárias pela covid-19. O cenário, no entanto, mudou.

Aplicando cerca de 2 milhões de doses por dia, o presidente Joe Biden vê o número de mortes diminuir. A expetativa do democrata é que em maio todos os adultos possam se vacinar e acredita que, em 4 de julho, Dia da Independência, os norte-americanos possam se juntar em pequenos grupos para comemorar.

Chile

No Chile, o número de casos de covid-19 ainda é alto, mas o país apostou na vacinação em massa para que a vida volte ao normal o quanto antes. O país latino-americano já aplicou 7,9 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, sendo a maioria Coronavac.

No total, 5,3 milhões de pessoas já foram imunizadas, sendo 2,5 milhões com as duas doses. Com isso, a primeira etapa da vacinação, a imunização de pessoas no grupo de risco, já foi concluída, mesmo duas semanas antes do previsto.

A expectativa do governo chileno é que toda a população alvo, 15 milhões de pessoas, sejam vacinadas até 30 de julho.

Quando o programa mais amplo de vacinação começou, o Chile organizou a imunização por faixas etárias. A cada semana, uma faixa etária foi vacinada progressivamente, com idades diminuindo a cada dia da semana.

Depois de vacinar todas as pessoas com mais de 60 anos, foram vacinados os profissionais da educação. A classe incluiu professores, assistentes e também pessoas que trabalham com a alimentação em escolas. Todos já foram vacinados e somam 320 mil pessoas.

Na semana de 15 a 19 de março, estão sendo vacinadas pessoas entre 45 e 16 anos com doenças crônicas e pessoas com deficiência.

Volta por cima

Wuhan, na China, foi o primeiro epicentro da covid-19 no mundo. Em fevereiro de 2021, a situação da cidade é bastante diferente do que era há um ano.

O governo chinês tomou medidas drásticas para controlar a pandemia, especialmente para pessoas que chegam de fora do país. Quem entra na cidade precisa fazer quarentena de 28 dias e, caso um morador tenha sintomas de covid-19, precisa ficar isolado por, no mínimo, 7 dias. Um aplicativo monitora as pessoas e, caso um cidadão cruze com alguém com sintomas, recebe um alerta.

A cidade conseguiu voltar à normalidade, mesmo após viver uma situação dramática.

Com o aumento da vacinação no mundo, a China tem flexibilizado a entrada no país para quem recebe vacinas produzidas por farmacêuticas chinesas.