Quadrilha do ódio tem forte persuasão no governo, diz servidor atacado

WALTER PORTO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Aquiles Alencar Brayner viu sua nomeação na Secretaria Especial de Cultura do governo federal ser publicada na segunda-feira (20) e revogada na quinta (23). Não deu nem uma semana de trabalho. E os motivos do desligamento, segundo ele, não têm nada a ver com algo que fez ou deixou de fazer.

No mesmo dia em que seu novo cargo como diretor do Departamento de Livros, Leitura, Literatura e Bibliotecas foi publicado no Diário Oficial, ele passou a ser alvo de ataques online de perfis que o classificavam como um "esquerdista infiltrado" no governo, exibindo capturas de tela do pesquisador com opositores de Jair Bolsonaro.

"Como vimos com Mandetta e Moro, toda proposta técnica é rechaçada por esse grupo de ódio", diz Brayner, para quem a única coisa que seus agressores virtuais propõem é a destruição. "Essa quadrilha tem um poder forte de persuasão e sabe que tem um peso forte nas decisões do governo."

Procurada, a Secretaria Especial de Cultura disse que não comentaria o assunto.

Ele afirma que o governo precisa, de fato, ouvir a sociedade e acolher propostas de grupos conservadores. Mas a pressão que sofreu não trouxe consigo nenhuma ideia sobre o que devia ser feito no lugar, o que ele afirma que gera um clima de apreensão geral dentro da esfera pública, cujos funcionários ficam assustados "mesmo sabendo que [os ataques vêm de] robôs".

A "facção de criminosos digitais", continua Brayner, usou exclusivamente sua vida pessoal para atacá-lo, como o fato de ser homossexual. Segundo ele, foi distribuída nas redes uma foto sua com o noivo, privada, que não estava em nenhuma mídia social - ele foi rápido em fechar todos os seus perfis assim que começaram os ataques.

"Meu currículo não foi discutido em nenhum momento. Minha sexualidade foi vista como motivo da minha falta de idoneidade, e isso é crime."

Doutor em literatura brasileira pelo King's College London, com dois mestrados na área, ele se candidatou para o cargo com o objetivo de usar sua experiência em políticas públicas de leitura para estruturar melhor o sistema de bibliotecas do país.

Foi acolhido após ser bem recomendado por seu emprego anterior, trabalhando com a documentação pessoal do presidente da República por um ano. "Todo mundo sabia que eu estava no gabinete da Presidência. Mas no dia em que eu fui nomeado para a Cultura começaram os ataques."

Segundo Brayner, o objetivo desses agressores virtuais, "blogueiros que vivem sabe Deus como", é a destruição da secretaria de Cultura comandada por Regina Duarte. Os funcionários da pasta, "altamente qualificados", contam ainda mais com sua admiração.

"Fiquei impressionado com a qualidade dos profissionais do time e com a garra de trabalhar arduamente mesmo recebendo esses ataques constantes.", afirma. "Admiro a resiliência em fechar os ouvidos."