‘Privadão’ é instalado na Assembleia Legislativa de São Paulo pela SOS Mata Atlântica

Camila Tuchlinski
Divulgação/SOS Mata Atlântica

A Fundação SOS Mata Atlântica realiza nesta sexta-feira, 11, a instalação ‘Privadão’, um vaso sanitário gigante, de 12 metros de altura, em frente à Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp). A ação chama a atenção para a falta de saneamento básico no Estado.
Em setembro, a organização divulgou novos dados da mancha de poluição do maior rio paulista com um alerta: em 2018, houve um aumento de 33,6% do trecho morto do Tietê em relação ao ano anterior (122 km), atingindo agora 163 km.
Além disso, a pesquisa de opinião pública “Segurança Hídrica" do Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS) e Datafolha, divulgada no início de outubro, revelou o tema saneamento básico como terceiro item mais citado em lista de prioridades para a população em que o poder público deveria investir.
Para Malu Ribeiro, coordenadora da causa Água Limpa da Fundação SOS Mata Atlântica, as metas propostas pelo governo paulista só surtirão efeito com transparência.
“Ao falar em saneamento, estamos tratando de algo crucial para a vida humana. Sendo assim, qualquer ação governamental pela despoluição de rios precisa contar com o engajamento da sociedade e, sobretudo, do comprometimento de todos com a gestão integrada da água”, ressalta.
A ação acontecerá paralelamente ao lançamento da Frente Parlamentar Ambientalista pela Defesa das Águas e do Saneamento do Estado de São Paulo, que vai discutir o aprimoramento das políticas socioambientais e a superação dos atuais problemas de degradação ambiental. O evento acontece no auditório Franco Montoro, na Alesp.
A iniciativa ainda contará com a parceria de organizações da sociedade civil, como Aliança pela Água, Articulação Mais Floresta PRA São Paulo, Ecofalante, Fundação SOS Mata Atlântica, Iniciativa Verde, Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS) e Rede de Ação Política pela Sustentabilidade (RAPS).
Saneamento também pode ter texto paralelo.