Primeira-dama pede para Trump aceitar derrota para Biden

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minuto de leitura

Enquanto Donald Trump insiste na narrativa de que a eleição presidencial nos Estados Unidos foi fraudada, sua mulher, Melania, pediu para ele reconhecer que perdeu para Joe Biden.

Segundo a rede de notícias CNN, a primeira-dama se juntou a outras pessoas próximas de Trump e o aconselhou a admitir a derrota para o candidato democrata.

Leia também

Uma fonte ligada à família de Trump confidenciou à reportagem que, para o círculo íntimo do presidente, “chegou a hora de aceitar a perda”.

“Ela ofereceu [o conselho], como sempre faz”, disse a fonte. Melania não se manifestou publicamente sobre o resultado da eleição presidencial nos Estados Unidos.

Biden foi o candidato mais votado à presidência em toda a história dos EUA, em um pleito que mesmo antes de acabar já havia se tornado histórico. Por conta do sistema de votos por correios, houve demora e muita mudança nas apurações. Destaque para os estados da Pensilvânia, Arizona e Georgia, onde resultados apertadíssimos acabaram decidindo o resultado.

Ao longo da semana, Biden teve comportamento bem diferente de seu adversário derrotado, Donald Trump. Enquanto o republicano passou dias tentando falar sobre uma fraude da qual não apresentou uma prova sequer, o democrata fez discursos calmos e pedindo calma à população.

A contagem de votos por correio é mais demorada do que a de cédulas preenchidas presencialmente, em seções eleitorais. Além disso, alguns Estados, como a Pensilvânia, permitem a chegada de votos via correio por uma semana após o fechamento das urnas.

Quase 70% dos votos antecipados foram dados pelo correio. A pandemia de Covid-19 explica porque tantos eleitores optaram por esse meio para fazer sua escolha. Os EUA vivem sua terceira onda de infecções — com o registro de cerca de 500 mil novos casos apenas na última semana —, e estão na liderança dos países com mais mortes em números absolutos, superando a marca das 230 mil vítimas fatais.

Nos últimos meses, o sistema eleitoral por carta se tornou alvo de duras críticas de seu adversário derrotado que, em desvantagem de cerca de nove pontos percentuais nas pesquisas nacionais, disse que a votação via correio abre brechas para fraudes.