Primavera Sound não barra manifestações políticas: "Alheio ao nosso controle"

Primavera Sound em Barcelona, na Espanha, em junho de 2022
Primavera Sound em Barcelona, na Espanha, em junho de 2022. Foto: Xavi Torrent/WireImage/Getty Images

Resumo da notícia:

  • Primavera Sound São Paulo não barra manifestações políticas

  • Produtora responsável pelo evento afirmou que questão é alheia ao controle deles

  • Evento acontece em São Paulo a partir deste sábado (05)

Marcado para acontecer neste sábado (05) e domingo (06), o Primavera Sound chega ao Brasil com a primeira edição em São Paulo em meio a um cenário político polarizado. Após as eleições presidenciais que renderam a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) contra Jair Bolsonaro (PL), o bloqueio nas rodovias por atos bolsonaristas não deve prejudicar o andamento do festival realizado no Distrito Anhembi.

Em conversa com jornalistas, Alexandre Faria, vice-presidente da Live Nation, empresa que realiza o evento no Brasil, descartou a proibição de protestos durante os shows. "Isso [manifestação política] é alheio ao nosso controle. Estamos prontos para fazer o festival e imagino que tudo vai correr bem", declarou.

"Nenhum problema ou orientação em relação aos artistas. Estamos com tudo em ordem. O festival começa no sábado (5), as estruturas ainda não estão totalmente montadas. Estamos terminando, não é nada que nos preocupe", completou, de acordo com o Splash UOL.

Escolha do Distrito Anhembi

O representante da Live Nation também justificou a escolha do Distrito Anhembi, localizado na zona norte da capital paulista, para ser a sede do evento de música internacional.

"É o lugar certo, praticamente no centro de São Paulo. O espaço não é utilizado com frequência para esta finalidade, mas nós estamos dando um pontapé inicial. Tenho certeza que muitos eventos vão acontecer aqui", explicou.

Transporte público e término dos shows

Alexandre garantiu que as principais atrações do evento, Arctic Monkeys e Travis Scott, encerrarão os shows antes do horário do fechamento do metrô para não prejudicar o retorno do público para casa. Além disso, haverá uma linha especial de ônibus para o festival.

"Temos algumas dificuldades naturais de primeiro ano no Brasil, como o mapeamento dos palcos. O primeiro ano vai trazer aprendizados para que a gente vá melhorando. Há pontos de atenção, mas estamos bem preparados", concluiu.