Preservativos autolubrificantes estão aqui para melhorar sua vida sexual e reduzir DSTs

Cientistas inventaram um preservativo autolubrificante [Photo: Getty]

Os preservativos autolubrificantes poderão estar em breve no mercado, para impulsionar a vida sexual de casais e incentivar o sexo seguro.

Os cientistas repaginaram o preservativo convencional ao encontrar uma maneira de fazer com que eles deslizem com o contato.

A nova geração de preservativo, que é apoiada pela Fundação de Bill e Melinda Gates, usa um revestimento especial e durável que pode se prolongar por todo o sexo.

A equipe responsável pela invenção espera que isso torne os preservativos mais atraentes para os casais, o que, consequentemente, ajudará a prevenir doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) e gravidez indesejada.

E esse é certamente um assunto que precisa ser abordado.

Uma pesquisa do ano passado revelou que quase metade dos jovens no Reino Unido não usa preservativo quando dormem com uma nova parceira, trazendo preocupações a respeito da disseminação de DST’s.

Como um exemplo, um relatório recente da Public Health England (PHE) revelou que houve um aumento de 20% na sífilis em 2017.

Quando usado corretamente, os preservativos são uma forma altamente eficaz de contracepção, mas conforme falamos antes, nem todo mundo os usam.

Sem lubrificação suficiente, o sexo pode ser doloroso e os preservativos podem escorregar ou até rasgar.

Apesar dos preservativos geralmente já serem lubrificados, pode não ser suficiente para o conforto de alguns casais.

E, embora o lubrificante adicional possa ser incluído, não é necessariamente fácil ou conveniente, e alguns lubrificantes podem afetar a eficácia do preservativo.

Mas os cientistas acreditam que esse novo preservativo autolubrificante, que fica bem deslizante ao entrar em contato com o fluido corporal, pode resolver essas questões.

Os resultados dos testes de fricção, revelados na Royal Society of Open Science Journal , mostraram que, quando mergulhado na água, o novo material estava muito mais escorregadio do que o látex convencional e água, e apenas um pouco menos escorregadio do que o látex coberto de lubrificantes.

A equipe também testou como o deslizamento mudou com o tempo e descobriu que os preservativos autolubrificantes permaneceram escorregadios pelo equivalente a 1.000 impulsos durante a relação sexual, ou 16 minutos de movimento repetido contra uma superfície semelhante à da pele.

O lubrificante revestido de látex, por outro lado, revelou uma “diminuição na capacidade de lubrificação”.

Um grupo de voluntário foi solicitado a tocar e classificar os dois preservativos e a maioria dos 33 homens e mulheres classificou melhor o autolubrificante.

Novas gerações de preservativos estão aqui! [Photo: Getty]

Comentando sobre as descobertas, o pesquisador Mark Grinstaff, da Universidade de Boston, disse à BBC: “É um pouco pegajoso quando você manuseia a seco, mas na presença de água ou fluidos naturais ele desliza com muita facilidade. Você só precisa de um pouco de fluido para ativá-lo.

O próximo passo é testar o preservativo em contextos reais para verificar sua performance.

A equipe de pesquisa não é a única trabalhando para aperfeiçoar preservativos.

O fabricante do ano passado, o British Condoms, alegou ter inventado o primeiro “preservativo inteligente” do mundo, que considerou a tecnologia “revolucionária” para usar no quarto.

i:Con tem uma capacidade integrada de detectar DSTs e acompanhar o desempenho sexual, já que os usuários podem baixar os dados de tudo, desde as posições praticadas até o número de calorias queimadas por sessão direto para o smartphone.