Presa há 18 anos, Suzane von Richthofen passa em 8ª no Sisu

Reprodução

Condenada a 39 anos de prisão por matar os pais a marretadas em São Paulo, em 2002, Suzane von Richthofen foi aprovada no curso Gestão de Turismo, no (IFSP) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, em Campos do Jordão, no interior do estado. Com 608.42 pontos no Enem, Suzane foi aprovada em 8º lugar entre os candidatos da ampla concorrência. Suzane está presa desde 2006 na penitenciária de Tremembé, em São Paulo. A faculdade fica a aproximadamente 40 quilômetros de distância da prisão.

Essa não é a primeira vez que ela tenta estudar. Em 2017, foi pré-selecionada para um empréstimo no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) para o curso de Administração de Empresas de uma faculdade particular de Taubaté, também no interior. Em 2016, a Justiça havia autorizado a jovem a frequentar o curso de Administração em outra universidade de Taubaté, a Anhanguera, porém ela acabou não dando continuidade ao curso.

Leia também

A legislação brasileira prevê que presos em regime semiaberto podem deixar a prisão para estudar, desde que voltem para a cadeia após os horários de aulas. O mesmo pode ser feito em relação a trabalhos. No caso dos estudos, é necessário manter bom desempenho para que a autorização para as saídas continue válida. Apesar da aprovação no IFSP, a ressocialização de Suzane não é uma novidade.

Desde que sua pena progrediu, em 2015, ela ganhou direito a saídas temporárias em datas específicas e, fora da cadeia, mostrou-se disposta a interações sociais.

A revista Época acompanhou, em outubro do ano passado, um período de três dias dela longe de Tremembé, durante o Dia das Crianças. Ela esteve em um município vizinho, onde mora o noivo, e frequentou um culto em uma igreja evangélica. Nas ruas, ela recorre a um disfarce amarrando os cabelos e vestindo uma peruca chanel preta: quando perguntam como se chama, ela responde apenas "Louise", seu segundo nome.

Da AGÊNCIA O GLOBO